segunda-feira, 19 de agosto de 2013

2° Festival de Cinema de Visconde do Rio Branco


Aconteceu dentre os dias 12 e 18 de agosto a segunda edição do Festival de Cinema de Visconde do Rio Branco, o evento foi realizado pela Associação dos Amantes do Cinema, com o apoio da Revista Atual, do Museu Municipal de Visconde do Rio Branco e da Prefeitura da cidade, através da Secretaria de Cultura e Turismo. Foram inscritos filmes de Ubá, Cataguases, Rio de Janeiro, Viçosa e Visconde do Rio Branco. As obras foram avaliadas em três categorias: longa-metragem, curta-metragem e documentário. 

Tive a honra de ser convidado para fazer parte do juri, estive presente em todas as sessões e acabei testemunhando algumas situações simples, porém dotadas de um significado profundo e belo. A primeira foi a reação de uma parte do público, que foi à mostra para se ver no 'cinema'. Via-se durante os intervalos entre uma sessão e outra a magia que o 'reconhecer-se na tela' representava e isso podia ser percebido claramente em alguns olhares emocionados, cheios de orgulho; ouso dizer que nem os maiores clássicos da história da sétima arte seriam capazes de proporcionar para esta parcela do público presente este mesmo efeito. Este fenômeno atesta a importância do fomento à produção local, com o fortalecimento da cena e seu constante aprimoramento (acordem empresários, acorde poder público, isso é investimento!!!). 

Outro ponto que merece ser destacado tem relação direta com o efeito que as novas tecnologias têm provocado na produção cinematográfica independente. A relativa democratização dos meios de produção tem tornado cada vez mais fácil e barato a realização de um filme e diante deste contexto o que se sobressai é a criatividade e a originalidade de cada realizador; mais do que nunca é válida a máxima glauberiana  que diz serem necessárias apenas "uma câmera na mão e uma ideia na cabeça" (não por acaso, criatividade e originalidade foram quesitos determinantes no processo de eleição dos vencedores). Mas, o mais interessante é que a criatividade não estava presente só nos argumentos dos filmes exibidos, mas também nas alternativas encontradas para custeá-los, divulgá-los e distribuí-los. 

O longa A Onda da Vida, do diretor José Augusto Muleta, (vencedor na categoria de Melhor Longa Metragem) recebeu patrocínios, mas sua realização não seria possível se não fosse a colaboração entre os envolvidos em sua produção, o filme foi feito entre amigos e isso reduziu os gastos com cachês e com a terceirização da mão de obra técnica. Zé do Pedal - As Fronteiras do Mundo, dos diretores Fabricio Menicucci e Bruno Lima, (vencedor na categoria de Melhor Documentário) foi realizado graças a uma campanha de crowdfunding (financiamento coletivo através de doações) realizada na internet. O Intruso, dirigido por Filipe Ruffato, (vencedor na categoria de Melhor Curta Metragem) também foi realizados entre amigos e provou que uma boa ideia pode valer muito mais do que um sofisticado aparato técnico. 

Vejo com bons olhos o caminho que o Festival tomou nesta edição e este foi um grande passo para consolidá-lo como um dos mais importantes eventos do gênero na região, algumas pequenas falhas ficaram como lição e acredito que na próxima edição elas já não serão cometidas. Se algumas barreiras levantadas pelo conflito de egos, que caracteriza o cenário político local, forem transpostas, certamente os frutos colhidos no próximo ano serão ainda mais notáveis, as sementes para isso já foram lançadas...


O grande homenageado desta edição do Festival foi cineasta rio-branquense Geraldo Santos Pereira, co-autor  do clássico Rebelião em Vila Rica (1958) (um dos primeiros filmes brasileiros fotografados em cores), que foi exibido na noite de encerramento, antes da premiação.


Confiram abaixo os vencedores:

Melhor Longa-Metragem: A Onda da Vida de José Augusto Muleta 
Confiram o teaser do filme no You Tube, clique AQUI !


Melhor Curta-Metragem: O Intruso de Felipe Ruffato
Confiram o curta completo no You Tube, clique AQUI !



Melhor Documentário: Zé do Pedal - As Fronteiras do Mundo de Fabricio Menicucci e Bruno Lima
Confiram um 'promo' do filme no You Tube, clique AQUI !


4 comentários:

  1. Pô, J. Bruno, parabéns por ter sido convidado para o júri, mais do que merecido. Fiquei com vontade de ver esse A Onda da Vida, me parece interessante. Ademais, é importante você ressaltar com um bom filme surge de boas idéias, Hollywood com suas tendências megalomaníacas parece ter esquecido disso. Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Bruno por ter feito parte do júri... verei os filmes com toda certeza.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela experiência. Meu sonho é participar do júri de algum festival de cinema...

    ResponderExcluir
  4. Franklin Ferreira Netto


    De Franklin Ferreira Netto para J Bruno

    Bela e bem fundamentada matéria, amigo Bruno. Se você permitir, vou reproduzi-la no Web Jornal Consciência da Mata. E, a partir de agora, fica um espaço à sua disposição neste veículo. Abraços, Franklin Ferreira Netto

    Franklin Ferreira Netto

    ResponderExcluir