domingo, 24 de agosto de 2008

RAZÃO (sem sensibilidade)...

O brilho do sol na rua vazia, a música triste que ressoa, morte tudo cheira à morte, a minha morte. As pessoas em volta... nenhuma delas pensam nenhuma delas sentem o quão triste é não ser humano, não ter sonhos... Ah, o quão mediocre é ser tão somente máquinas. Nada além de ouro de tolo: Dinheiro, trabalho... Podre capitalismo! Confronto a saudade de um tempo que não era bom, um tempo hoje romantizado em memórias tortas, em vãs reminicencias... Tornei me ranzinsa, sinto raiva, raiva do simples decorrer do tempo que me arrasta para o ciclo de morrer eternamente, pra depois reviver. E então levantar, mas ainda carregando as dores da morte lenta, da agonia que se arrastara por dias. Pra no final, mais um vez renunciar, renunciar à vida à felicidade... Morrer! Perco meu tempo tentando ser poético, tentando ser humano. Roubaram de mim o amor, levaram minha coragem. Me restou apenas a razão, a robotização, estou me tornando niilista... Um insensível niilista!

sábado, 14 de junho de 2008


"Poema do amigo aprendiz
Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
Nem tão longe e nem tão perto.
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar,
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente, nem presente por demais.
Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
E por isso eu te suplico paciência.
Vou encher este teu rosto de lembranças,
Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias..."

Fernando Pessoa

quinta-feira, 12 de junho de 2008

...schizofrenia...

Vozes na ante-sala;
Vultos de obsessão;
vezes que torna frio,
con-sentir a ilusão...

/não se sente em sua mente/

vozes... vultos... vezes...

terça-feira, 10 de junho de 2008

Apenas um PERSONAGEM

Há alguns meses completara a idade de 21 anos, cursava o ensino superior e optara por uma carreira que lhe parecia promissora. Não era a área em que se graduava, mas era, principalmente devido à estabilidade, um emprego que lhe fascinava. Ele estava amadurecendo, passara triunfante pela adolescência. Havia ficado para trás boa parte das aventuras e da inconsequência juvenil. Já não sonhava mais com uma banda de rock ou com uma sociedade plenamente justa e igualitária, perdera com o passar do tempo boa parte de sua intensa capacidade de sonhar. Naquela tarde estava em casa, lhe sobrava um pouco da melancolia provocada, não pelo que acontecera, mas pelo que deixara de acontecer na semana anterior. Mais cedo ele tinha estado na casa de um amigo, colega da faculdade, digitou um artigo, que possivelmente ninguém leria, jogou conversa fora e depois voltou para casa com um quê de tristeza no olhar.

Era uma típica tarde de junho, parte de um daqueles dias em que faz frio à noite e pela manhã e à tarde o sol esquenta produzindo um clima seco, propício às doenças respiratórias. Ele era um dos afetados, com as amídalas já irritadas e as narinas escorrendo, os sintomas se repetiam a cada ano nesta mesma época. Os espirros que geralmente o irritavam, naquele momento ainda não tinha lhe furtado a calma que lutava para preservar. Não estava nervoso, estava bem melhor, se refazia do estado de intensa ansiedade dos últimos dias.

A sensibilidade e a alma à flor da pele lhe permitiam observar a poesia que ao seu redor a natureza escrevia, eram os beija-flores que voavam brincalhões, o gato que escalara os muros até o topa da cobertura da igrejinha, era a luz do sol que se refletia nas folhas dos pés de goiaba e abacate... A simplicidade lhe comovia mais do que qualquer outra coisa. Sentia saudades de sua infância, tempo em que pouco era preciso pra se sentir feliz. Ele era considerado um felizardo pelos vizinhos e até por alguns dos amigos; o trabalho, os estudos... Entretanto, não, ele não estava feliz, em seu intimo sentia que algo lhe faltava. Faltava realização, faltava o lúdico, carecia de mais poesia...

A tarde se aproximava do fim, as reflexões que se iniciavam em sua mente, se não fosse a dor de cabeça que já lhe incomodava, poderiam prosseguir pela noite que se aproximava, elas lhe roubariam a atenção durante a aula e talvez o precioso sono daquela noite. Ele não permitiria, tinha medo de que a ansiedade voltasse a lhe perturbar.

Afastou mochila, livros e outras coisas que se amontoavam sobre a cama, abriu um caderno velho e pôs-se a escrever. Sabia que não tinha grande talento literário, mas se sentia bem ao abstrair o real sob a forma de um personagem, alguém sobre quem ele teria total domínio, alguém não tão mesquinho quanto ele se achava, não tão medíocre quanto a maioria das pessoas que lhe rodeavam. Seu personagem não se tornaria conhecido, assim como seu artigo, talvez ninguém se prestasse a ler o que escrevera.


UM ARTIGO DEPRIMENTE


Já há quem diga que o “mal do século presente” é a angustia existencial provocada pelas doenças neuropsicológicas. Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que, no ano 2000, a depressão era a quinta causa de incapacitação. Em 2020, poderá ser a segunda. Realmente tais dados à primeira vista podem parecer alarmantes, mas devem ser analisados com muito cuidado. Ainda persiste a falsa ideia de que a depressão seria o resultado direto de uma carência de serotonina no cérebro, ideia difundida pelos anúncios das companhias farmacêuticas. Muita gente que poderia estar apenas precisando de um bom aconselhamento está sendo exposta a riscos ainda não avaliados e enveredando por um caminho que pode não ter volta.

       “Até que ponto a tristeza provocada por perdas e frustrações não está sendo confundida com depressão?” Questiona o ex-presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria e atual conselheiro da entidade, Marco Antônio Brasil, “Sofrimento faz parte da vida. Nem todas nossas dores podem ser saradas com remédios.” Para Marco Antônio, a psiquiatria tem deixado em segundo plano a origem psicossocial dos transtornos psicológicos. Muitos deles como a bulimia, a anorexia, o estresse e a síndrome do pânico, ele diz, são provocadas por pressões da vida contemporânea.

Existe atualmente na vida social, uma cobrança ao indivíduo quanto ao seu sucesso, à sua aparência e quanto ao seu desempenho para com o meio e para consigo. Se os modelos preestabelecidos não são alcançados, a frustração e o sentimento de perda e de não pertencimento que lhe são imputados serão decisivos para sua opção pelo início de um tratamento, na maioria das vazes a base de medicamentos. Este quadro, impulsionado pela mistificação dos terapias tem levado a uma banalização do uso dos remédios antidepressivos. As pessoas têm se entupido de calmantes por um simples problema de insônia que poderia ser passageiro ou solucionado, com apenas algumas mudanças de rotina. Cultiva-se a idéia absurda de que um comprimido pode resolver os problemas de auto-estima, timidez ou falta de realização.

O grande perigo ocorre quando se esquece que tais medicamentos, os “tarja-pretas”, são como uma outra droga qualquer, causam dependência e podem provocar males irreparáveis. Estes medicamentos, que só deveriam ser usados em casos extremos, já estão sendo consumidos desenfreadamente, muitas das vezes sem prescrição médica, ou sem acompanhamento de um profissional responsável. Enquanto uma multidão de autopiedosos e insatisfeitos buscam uma espécie de fuga, se drogando, quem lucra são os laboratórios farmacêuticos. A opção das pessoas em não enfrentar sua própria realidade e o medo de encarar seus traumas e pesadelos, as tornam vítimas fáceis para as artimanhas publicitárias destas empresas.

Em 2002, nos Estados Unidos, no programa de Oprah Winfray, o jogador de futebol americano Ricky Willians, disse sofrer de uma “timidez dolorosa e crônica”. Descobriu-se depois que o jogados fora pago pelo laboratório Glaxo Smith-Kline para falar que sua timidez era doentia. Em 2003, uma propaganda do Zoloft (antidepressivo) publicada no American Journal of Psychiatry, mostra uma jovem cabisbaixa e uma pergunta: “Ela é tímida? Ou isto é uma desordem de ansiedade social?” logo abaixo, se lia “Zoloft, agora indicado para desordens de ansiedade social.”

Em Timidez: Como um comportamento normal se tornou uma doença, o autor, Cristopher lane acusa os laboratórios de ocultarem os efeitos colaterais da maioria dos antidepressivos. Só nas versões mais recentes do Prozac foram incluídas na bula advertências sobre a possibilidade de tremores incontroláveis, diminuição da capacidade sexual, idéias de suicídio e autodestruição (sic). Pergunto-me: Será que tais medicamentos são tão menos nocivos que o cigarro, o álcool ou até mesmo que algumas das drogas ilícitas? Eu, sinceramente, creio que não.

Há pouco mais de um ano uma médica, clinica geral, (sem nenhuma formação na área de psicologia), me diagnosticou um quadro de ansiedade, na ocasião ela me receitou um medicamento controlado, disse que eu me sentiria melhor tomando-o e que poderia pegar no próximo mês uma outra receita, sem precisar de nova consulta. Ao ver na bula que o tal remédio poderia causar dependência, decidi não toma-lo. A ansiedade voltou a me incomodar tempos depois, mas a situação já era bem diferente, eu já compreendia que era um quadro “normal”, resultado de fatores externos, incomodava um pouco e depois se ia junto com a situação que a tinha provocado. Eu não caí na armadilha... Perdi a chance de quem sabe num futuro próximo passar por sessões de eletro-choque, terapia quem tem voltado com força total em clínicas e hospitais do Brasil.

(Alguns dados foram extraídos da Matéria “Eletrochoque” de Consuelo Dieguez, publicada na Revista Piauí – Nº 21)


.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Saudades...

"Quando seus amigos

Te surpreendem

Deixando a vida de repente

E não se quer acreditar...


Mas essa vida é passageira

Chorar eu sei que é besteira

Mas meu amigo!

Não dá prá segurar..."


(versos da música vida passageira - IRA)



(Desenhado há cerca de 4 anos por um amigo que me "surpreendeu"...
às vezes as pistas são tão claras, mas parecemos não compreender...)

Valeu por todos os abraços, sorrisos e por todos momentos de alegria...
desculpe qualquer coisa... Sempre lembrarei das rodas de violão... dos shows...

Rock`n`roll can´t never die! (nem seus verdadeiros representantes...)


Crisálida


Evoluir num casulo chamado existência,
entre paredes, a verminosa carcaça se oprime.

sem luz, sem brilho, sem mundo, só esperança...

O bater de asas na vida futura...
________________compensará a dor da transmutação?

Talvez seja sina de todo grande homem;
não caber em um mundo tão pequeno;
se sentir sozinho num mundo tão grande...



Lutei luta que não devia;

Pelejei em batalha que não era minha;
Cansado, frustrado, até peço perdão;
Achei minha resposta... /não resolvi a questão\.
"A poesia e a política são demais para um só homem"
(Paulo Martins - personagem de Terra em Transe)

"Amamoas mais o desejo do que ser desejado" (Nietzsche)

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Sobre a nostálgica época em que, ao menos pra mim, amigos não se compravam...


Às vezes bate um tristeza e ai vem uma saudade...
Penso nos meus amigos. Penso naquela época em que tudo era ao menos um pouco mais simples. Não precisava estourar meu cartão de crédito pra me sentir bem entre as pessoas de quem gostava. Pouco importavam a camisa, a calça ou qualquer outro bem material, o que valia era o que se sentia, o que se fazia uns pelos outros. Éramos poucos, uma ilha, tinhamos problemas, discussões, mas estávamos unidos,.. erámos amigos. Independente do bolso vazio, da estética pobre, independente da hipocrisia e da mediocridade dos valores capitalistas, éramos amigos... O saudade!!!

O Fardo


Do dia que se esgotava, lhe restava apenas o fardo, o pesado fardo da reminiscência de cada encontro, de cada diálogo, de cada situação... O corpo estava exausto, a alma estava sombria. Naquela noite ao chegar em casa, só o que pedia era um pouco de descanso, deitou-se em sua cama, ainda desarrumada, tal como a deixara ao se levantar naquela manhã. Agitado e despedaçado emocionalmente, tentou refletir sobre sua condição. não chegou a lugar algum... Perderia o sono dentro de instantes. Estava cansado demais e a consciência não lhe permitiria adormecer, estava tenso, cada vez mais tenso... Abriu a mochila, tirou o caderno e pôs-se a escrever. Falou de seus sonhos, seus medos, criticou os amigos e depois chorou... Chorou sobre as folhas em que rabiscara seus sentimentos. Dentro de alguns minutos elas estariam, rasgadas ou amassadas, atiradas pelo chão do quarto. Mais uma vez tentou dormir, o sono não veio... veio na tristeza, acompanhada de raiva e de uma forte dor de cabeça.

(escrito na noite do dia 30 de maio)



sexta-feira, 30 de maio de 2008

Janela da alma

a janela está aberta, mas o outro lado;
o outro lado, deveras, é o lado de dentro;
o lado de dentro, ausente de luz;
luz que não ilumina, mesmo com a janela aberta...

O Ninguém Poeta

É como se eu tentasse fazer de minha vida uma canção
é como se quisesse extrair dela tudo de belo, toda a poesia,
cada dia como um enorme quadro que se pinta
detalhe por detalhe, numa angustiante ânsia de perfeição.
É assim a cada dia, a cada hora... a cada instante
Delírios, sonhos, devaneios perdidos na imaginação
É como se tentasse em vão consertar o que não posso
reformular o que foi perdido e organizar o que desconheço.

Um enorme ferimento fustiga meu peito.
Meu fraco coração comprimido contra o vazio,
o vazio da alma, dos sentimentos transviados
Ah meu coração entorpecido de loucura vil
desprezível o ser em que me transmuto.
O asco, o horror, de minha triste figura
A auto-piedade,.. da auto critica à auto destruição
Dispersos entre lamentos de ninguém tentando ser poeta.

Felismente justificamos
com palavras e ideologias vãs
todas as nossas abomináveis práticas.
Alguns chamam isso de filosofia.
Nietzsche que me perdoe!!!

TARDE DE DOMINGO


Naquele dia, após um raro momento de descanso, tão levemente me sentia despertar, alguns raios de sol adentravam a janela, já poucos o que denotava um final de tarde. Uma leve brisa soprava sobre mim. Tudo isso me trazia de volta uma já esquecida sensação de paz, tão perdida a cada nova alvorada.

Vários sons em tom de calmaria pareciam me hipnotizar, o som da liberdade, do amor, tão puro na voz de uma criança, tudo seguia tão bem numa perfeita harmonia. Sentia-me tão bem, em uma infinita paz comigo mesmo.

Fazia parte de um universo imenso, com tantas possibilidades, uma força descomunal brotava de meu interior. E mais uma vez senti o frio soprar da brisa que invadia o quarto, a casa a rua, o mundo talvez... a brisa que antes correra o infinito, pra ela sem fronteiras, um mundo de paz e liberdade.

Respirei fundo e tomei força pra me levantar, mas antes senti mais antes senti mais uma vez o sabor da liberdade pura como ela é, nos sons, nas formas, nas sensações. Após levantar o pequeno mundo desabou. Tão superficial e passageiro quanto tinha sido a doce sensação de harmonia, foi a angústia de me deparar com uma típica tarde de domingo.

Voltando a realidade tinha força e inspiração para lutar por um sonho, um sonho que me dava razão de viver...

(Texto escrito em 2005, publicado no punk-zine ROTTEN, do amigo Leandro Cavalcante de Terra Rica/PR.)

Cinema na FAGOC



Sábado, 31 de maio, às 14 horas. Em cartaz o filme Hotel Ruanda.

O projeto Cinema na FAGOC apresenta neste sábado, 31 de maio, o filme Hotel Ruanda, dirigido por Terry George, o longa é baseado na história verídica de Paul Rusesabagina, o filme mostra como um hutu, gerente de hotel em Ruanda, salvou milhares de refugiados tutsis durante a guerra civil. A história se passa em Kengali, capital da Ruanda em 1994, durante o conflito que ficou conhecido como, Genocídio de Ruanda. O período é marcado pelo aumento da tensão entre a maioria hutu e a minoria tutsi, duas etnias de um mesmo povo (ninguém sabe diferenciar uma da outra há não ser pelos documentos). O conflito se agrava quando o presidente de Ruanda morre em um atentado quando iria assinar um acordo de paz. Imediatamente os hutus creditam a autoria do crime aos guerrilheiros tutsis, dando início à guerra civil e ao genocídio de tutsis e hutus moderados. Paul Rusesabagina (Don Cheadle) é gerente do Hotel des Mille Collines, propriedade da empresa belga Sabena. Para proteger sua família, ele decide abrigá-la no Hotel, mas com a iminente ameaça de um massacre generalizado e o aumenta o número de pessoas, que procuram abrigo e proteção, Paul transforma o des Mille Collines em um verdadeiro abrigo, acolhendo refugiados de ambas as etnias. Ele fará de tudo pra tentar mantê-los a salvo. “Mais que um filme sobre guerra e morte, é na verdade uma mensagem de esperança e conscientização para a humanidade”.

As sessões do Cinema na FAGOC acontecem no campus da faculdade, na sala multi-meios 1. Após as exibições acontecem debates e discussões sobre os temas abordados no filme.


Acessem tb: loskandengos@blogspot.com

JORNALISTAS POR FORMAÇÃO!
Esta turma não só escreve, ela faz acontecer!!!
Lactim, Eliane, Eu, Antônio, Taís, Gian,
Paiva, Camila, Marcelo, Isabela, Leandro
Jonathas


Roteiro da peça "Horário Nobre"



ART.FICIAL
HORÁRIO NOBRE
Roteiro escrito por: José Bruno Aparecido da Silva
Março de 2006
A peça “Horário Nobre” busca relatar de forma irônica a situação de um telespectador passivo diante de um televisor no horário nobre, ele assiste um telejornal, uma espécie de sátira do modelo de telejornalismo adotado no Brasil, as notícias e seus principais personagens invadem sua sala de estar, a cada matéria ele é agredido intensamente, mas permanece em sua poltrona fiel e cativo à programação. Além do telejornal com seus personagens (apresentadores, que mais parecem juizes saídos do romance “O Processo” de Kafka e um homem do tempo, totalmente alucinado) o telespectador ainda é atormentado e violentado por um político, e por um garoto propaganda, igualmente pirado, que representa os comerciais. A peça se desenrola sobre um clima de tensão atenuada que é reforçada pelo cenário sombrio e pela trilha sonora. A peça lida com diversos estilos, do drama à comédia, e tem seu diferencial na linguagem, que foge ao estilo usual, sendo baseada, em sua maior parte, na linguagem jornalística.
Quadro 1
Em cena os 2 apresentadores (nas bancadas) e o telespectador (ao centro).
O telespectador entra em cena, liga o televisor com o controle remoto. ( as luzes se ascendem sobre as bancadas).
APRESENTADOR 1 Está entrando no ar mais uma edição do Jornal Art.Ficial, com notícias do Brasil e do Mundo direto pra VOCÊ! BOA NOITE!
APRESENTADOR 2 BOA NOITE!!!
O telespectador tem sua atenção voltada pro jornal, quase responde o cumprimento. (ele permanece durante toda a peça de frente para o público, de costa para os apresentadores).
APRESENTADOR 1 Assalto a mão armada para o centro da capital esta tarde, três pessoas ficaram feridas (eco), mas ninguém morreu!
APRESENTADOR 2 Rebelião na penitenciaria estadual já dura 4 dias. Detentos mantêm 17 pessoas como reféns . Familiares dos reféns e dos presidiários aguardam desesperados por notícias na porta do presideo.
Presidiário atravessa o palco no momento que a notícia é dada.
APRESENTADOR 1 Confirmada a suspeita de contaminação no reservatório que abastece as zonas sul e leste da cidade, 23 pessoas permanecem internadas com suspeita de intoxicação.
Telespectador joga fora a água que acabara de pegar para aliviar a tenção
APRESENTADOR 2 Inflação bate recorde, economistas apontam esta como a pior crise) de todas que o país já sofreu. O feijão com arroz deverá sumir da mesa de 90% da população.
Preocupado telespectador procura, aflito, sobre uma mesa imaginária seus alimentos.
APRESENTADOR 1 Policia reprime com violência manifestação de estudantes que ocorria na zona norte da cidade. Os manifestantes foram detidos e encaminhados à quadragésima quinta delegacia de polícia. Os estudantes protestavam contra o aumento da tarifa de ônibus.
Policial perseguindo estudante atravessa o palco.
APRESENTADOR 2 Dados do DENATRAN indicam que as rodovias estão mais perigosas devido ao período de chuva. Não vai ser seguro viajar neste feriado prolongado. É previsto um acentuado aumento de acidentes, comparando ao mesmo período do ano passado.
APRESENTADOR 1 acidente na avenida Duque de Caxias deixa saldo de 3 feridos e 7 mortos. A imprudência mais uma vez foi a causa do desastre.
Uma pessoa ferida passa correndo desesperada pelo palco.
APRESENTADOR 2 Batida entre carro e motocicleta na avenida JK para o trânsito da cidade no final de tarde. O motociclista morreu na hora.
O telespectador está cada vez mais nervoso e mais assustado.
APRESENTADOR 1 Vamos para o intervalo comercial mas voltamos dentro de instantes com mais notícias do Brasil e do mundo pra VOCÊ! (apontando para o telespectador).
APRESENTADOR 2 ART.FICIAL, o telejornal que levas os fatos pra sua sala de jantar!!!
Entra a vinheta, as luzes sobre as bancadas se apagam.
O telespectador respira aliviado.
Fim do Quadro 1.
Quadro 2
Em cena o telespectador e o garoto propaganda.
GAROTO PROPAGANDA 1(entrando em cena) Hei você! É você mesmo, você sabe do que você precisa? Ah sim da nossa nova linha de cosméticos BELEZA PURA! Deixe ser feio deste jeito e fique belo em 15 minutos, isso mesmo são apenas 15 minutos!!!
Enquanto fala o garoto propaganda pinta a cara do telespectador com diversos tipos de cosméticos, este tenta resistir, mas acaba cedendo.
GAROTO PROPAGANDA 2 (entrando em cena) Você é esperto não é? Você não é careta não é? Isso mesmo você é livre!!! Livre pra experimentar a nova bebida FIRE DRINK, Beba, beba, beba... Ah com moderação!!!
Enquanto fala o garoto propaganda empurra a bebida pela boca do telespectador, que após tomar tudo tenta permanecer de cambaleando pelo palco.
GAROTO PROPAGANDA 1 (voltando em cena) Hei você, é isso você que está ai, abatido, cansado e deprimido... Ah você está precisando de dinheiro não é?... Com certeza dinheiro é o seu problema... Então meu amigo relaxe e goze porque seus problemas acabaram!!! Consiga dinheiro rápido VENDENDO A SUA ALMA!!! É simples basta ligar 0800... isso vai ligue, ligue, ligue, (coagindo o telespectador a ligar). Viu simples assim, sem consulta ao SPC e nem precisa mais assinar contrato...
O telespectador permanece imóvel como que arrependido do negócio realizado.
GAROTO PROPAGANDA 2 (voltando em cena) Você que se preocupa com mundo a sua volta, você que não agüenta mais ficar ai parado feito um verme, um parasita, em sua sala de jantar. Torne-se agora um militante de uma grande causa. Torne-se membro do ONG. Não a extinção do calango verde da Paraíba, para fazer a sua parte não precisa ir até a Paraíba, nós fazemos isso por você, basta dar a contribuição semanal de apenas... O que você tiver... Tudo que você tiver! Isso, isso, certo... Você deve doar até doer!!!
O telespectador agora além de abatido, cansado e deprimido ele ainda está falido e permanece imóvel, perplexo diante da tv.
Fim do Quadro 2.
Quadro 3
Estão em cena o telespectador, em sua poltrona, e os dois apresentadores em suas respectivas bancadas.
Neste bloco as notícias são lidas com uma velocidade maior.
Entra a vinheta e as luzes acendem sobre as bancadas.
APRESENTADOR 1 Estamos de volta, entrando mais um vez sem pedir licença em sua casa!
APRESENTADOR 2 Voltamos com mais notícias do Brasil e do mundo. ART.FICIAL... Direto, Preciso e Imparcial!!!
APRESENTADOR 1 Deposto o presidente comunista da Molvânia.
APRESENTADOR 2 Bem feito! Já vai tarde! (tossindo) descul... Digo, começa uma nova fase para a povo molvês, rumo a democracia.
APRESENTADOR 1 Violência! Jovem dispara metralhadora contra alunos na capital. 35 pessoas morreram, 15 ainda estão em estado grave. O jovem de 21 anos se suicidou após o atentado. (a partir de agora com ênfase na fala). O sangue fresco está espalhado por toda escola, nos pátios e sobre as carteiras.
APRESENTADOR 2 nova moda chega ao Brasil! Especialistas dizem que jogar recém nascidos em lagoas e latas de lixo será a nova tendência deste verão. A estilista Suzam Cosak diz que a moda vem do outro lado do mundo de paises como China e Índia. Promete bombar na nova estação!
Neste momento, como num desfile de moda, entram as duas modelos, a primeira coloca uma lata na frente do palco, a segunda com uma boneca, atira-a na lata, na volta a primeira modelo recolhe a lata, que tem a inscrição lixo.
APRESENTADOR 1 Dica de segurança! Se você perceber qualquer movimentação estranha, tráfico de drogas, assassinatos próximo à sua casa. Disque 00x9 e denuncie, faça a sua parte delatando e cagoetando. Mas não espere recompensa por isso!!!
Neste momento o telespectador pega o telefone na mesinha ao lado da poltrona e liga e gesticula como se estivesse denunciando algo. Ao final da ligação ele encosta na poltrona com a sensação de dever cumprido.
APRESENTADOR 2 Dica de culinária! Junte os amigos mais próximos para uma confraternização, o prato principal é X9 assado. Simples e rápido de preparar. Você precisará apenas de um cagoeta e 3 pneus tamanho médio, tempere com querosene e álcool a gosto.
O telespectador treme de medo, neste momento um homem passa pela frente do palco e indica que cortará o seu pescoço, o encarando.
APRESENTADOR 1 Cresce o número de estupros e crimes hediondos na cidade. O secretário de segurança pública se diz perdido diante da situação e alerta que o próximo pode ser você ou até mesmo seus filhos.
APRESENTADOR 2 Conflito no oriente médio realmente parece não ter fim, carro bomba explode em frente a escola primária. Ainda não se sabe o número exato de mortos... Corrigindo não é um conflito no oriente média acaba de acontecer em frente a sua casa.
O telespectador se levanta, observa como se tivesse olhando pela janela, de volta a poltrona e não consegue segurar o choro.
APRESENTADOR 1 Ministério da saúde aponta o aumento de casos de doenças infecto contagiosas como um fator positivo no controle da superpopulação. Segundo ele a guerra civil també4m se apresenta como um grande instrumento no controle populacional. Deputados e senadores já discutem uma boa desculpa para começar uma nova guerra particular no país. É o seu governo trabalhando por você.
APRESENTADOR 2 Crianças que nunca puderam nem se quer sonhar em um dia ir a disneilândia, hoje podem se divertir em dos maiores parques temáticos do mundo com sedes por todo o país, a CRAKOLÃNDIA. Segundo FGS, 12 anos, freqüentador assíduo do parque, entrar é fácil o difícil é sair. CRAKOLANDIA com certeza tem uma bem perto de você.
O telespectador já parou de chorar, mas continua assustado, ele pega uma grande quantidade de comprimidos e engole na esperança de aliviar a tenção.
APRESENTADOR 1 Vamos parar para a exibição do horário político obrigatório.
APRESENTADOR 2 Voltamos em instantes com notícias do Brasil e do mundo pra você.
Entra a vinheta, em seguida apaga-se as luzes sobre a bancada.
Fim do quadro 3
Quadro 4
Estão no palco o “Voz”, o político e o telespectador.
Obs.: O “voz” é apenas uma personificação da voz que anuncia o começo eo término do horário político.
VOZ Interrompemos este programa para a exibição do horário eleitoral gratuito. Dentro de instantes voltamos com a programação normal.
O político entra, cumprimenta o voz, o entrega um santinho, cumprimenta algumas pessoas do público e em seguida a música toca.
Se for eleito eu prometo
Casa comida e roupa lavada
A vida não será mais ingrata
Haverá liberdade de expressão
Todos iguais frente a lei
Não haverá latifúndios
Casa comida e roupa lavada (2X)
Não haverá mais desmatamentos
Todos terão salário digno
Todos terão carro zero
Farei o combate a violência
Casa comida e roupa lavada (2X)
A educação será prioridade
Haverá grande oferta de emprego
Teremos um país muito rico
O carnaval será o ano inteiro
Casa comida e roupa lavada (2X)
POLÍTICO (ao final da música0 Não se esquecem de em mim. É fácil de lembrar!!! 171 e Confirma!!!!!
O político se despede do público, se possível cumprimenta mais alguns presentes. Esse retira do palco.
VOZ se encerra neste momento o horário eleitoral gratuito, voltamos com a programação normal.
Fim do quadro 4.
Quadro 5
Estão no palco o telespectador e o homem do tempo.
HOMEM DO TEMPO Nem pense em sair de sua casa a partir de... (olhando o relógio) agora!!! O furacão Maria das Dores passará hoje, está passando neste momento, pela sua rua!!!
Começam o barulho dos ventos (feito pelos atores que estão fora de cena).
O telespectador que pensava em se levantar é jogado de volta na poltrona pela notícia. Ele sente o efeito dos ventos fortes. É arrastado por alguns minutos junto com o sofá.
HOMEM DO TEMPO O Maria das Dores acabou de passar pela parte baixa da cidade. Deverá deixar mais um rastro de destruição em seu caminho até o litoral.
O telespectador se acomoda de volta na poltrona.
HOMEM DO TEMPO Chuva forte cai neste momento em toda região central do país. O temporal deve permanecer por mais cinco dias.
O telespectador para a mão observando se está chovendo, mas não percebe nenhum pingo. O homem do tempo lhe joga água no rosto. Após isso ele abre um guarda chuva. (que estava atrás da poltrona)
HOMEM DO TEMPO devido a frente fria que vem do oceano, a temperatura deverá cair cerca de 30 graus.
O telespectador fecha o guarda chuvas, coloca o de volta atrás da poltrona e treme de frio devido às baixas temperaturas.
HOMEM DO TEMPO Inundação deixa milhares de desabrigados e muitas pessoas que foram arrastadas pela enchente permanecem desaparecidas.
O telespectador sobe no sofá apreensivo, olhando para o chão, como se estivesse diante de uma inundação, ele continua tremendo.
HOMEM DO TEMPO Os efeitos do aquecimento global deverão anular os efeito da frente fria, corrigindo a informação anterior: a temperatura deverá subir até 50 graus... nos próximos minutos!!!
O telespectador enxuga o próprio suor e tenta se abanar com as próprias mãos devido ao intenso calor, ele está jogado sobre o sofá quase desfalecendo.
HOMEM DO TEMPO O furacão Maria das Dores que passou pela cidade há alguns minutos deverá voltar... (olhando o relógio) neste exato momento. Deixando um rastro ainda maior de destruição.
Os barulhos de vento recomeçam...
O telespectador mais uma vez é arrastado junto com a poltrona demonstrando intensa exaustão.
HOMEM DO TEMPO Mais notícias e previsões sobre o tempo e o clima em nossas próximas edições... (o telespectador respira aliviado). Esperem! Esperem! Temos uma notícia de última hora pra você (apontando para o telespectador). Terremoto...
O telespectador que até então estava com a boca vedada solta sua venta e grita como se dissesse basta!!!
HOMEM DO TEMPO Digo... mas fique calmo, num é assim lá um terremoto que se diga “que terremoto”
O telespectador ameaça pegar o controle remoto...
HOMEM DO TEMPO Não!!! Por hoje é só, voltamos na próxima edição com mais notícias direto da redação do ART.FICIAL!!!
O homem do tempo sai apressadamente, o telespectador está de volta a sua poltroona, se ajeita confortavelmente para continuar assistindo o telejornal.
Fim do quadro 5.
Quadro 6
Estão em cena, o telespectador, em sua poltrona, e os apresentadores m suas respectivas bancadas
.
A partir deste bloco as noticias passam a ser lidas com uma velocidade ainda maior.
APRESENTADOR 1 Você acabou de assistir...
APRESENTADOR 2 Notícias e previsão do tempo.
APRESENTADOR 1 Mas nem pense em trocar de canal!
O telespectador solta o controle remoto e se encosta mais uma vez na poltrona.
APRESENTADOR 2 Está começando a última parte do jornal ART.FICIAL!
APRESENTADOR 1 Notícias rápidas do Brasil e do mundo pra você!
O telespectador volta a tremer e ficar apreensivo.
APRESENTADOR 2 Famílias inteiras morrendo de fome, ai no seu bairro, é uma nova crise do capitalismo que bate à sua porta.(Ouve-se o barulho de batidas na porta).
APRESENTADOR 1 Número de assassinatos dobra neste ano! E dados do instituto de pesquisa e estatística demonstram que o suicídio tem se tornado, também, uma das principais causas de morte nos últimos anos.
APRESENTADOR 2 A Angústia existencial já é apontada como mal deste século.
APRESENTADOR 1 Especialistas comprovam que suicidar é mais fácil do que você imagina, você pode cometer um suicídio bem sucedido aí mesmo, na sua sala de estar.
O telespectador angustiado começa a preparar sua morte, improvisando uma forca com uma corda. Ele solta a corda ao ouvir a próxima notícia.
APRESENTADOR 2 Mãe é estrangulada pela própria filha, a garota diz ter sido influenciada por uma personagem da novela das oito... da outra emissora... evidente!
APRESENTADOR 1 Menina de 10 anos é morta e tem seu corpo mutilado. O acusado de ter cometido o crime é o próprio pai da menina. Segundo os irmãos da garota o pai a violentava já há mais de 3 anos.
APRESENTADOR 2 Vazamento de material radioativo na usina Angra 5 estima-se que cerca de 2 mil pessoas tiveram contato com o material, elas desenvolverão cânceres devido à contaminação.
O telespectador demonstra expressão de medo e sofrimento.
APRESENTADOR 1 Legalizada a prostituição e trabalho infantil na região sul do estado. Segundo o governo esta é uma maneira de esvaziar as escolas, poupar gastos públicos e colocar em prática o projeto meu primeiro emprego. Protestos ocorreram nas outras regiões, os manifestantes reivindicam o direito de também serem atendidos pelo programa.
O telespectador se contorce devido à dor, ao susto e ao asco provocado pele notícia.
APRESENTADOR 2 Brasil realiza um grande negócio com os Estados Unidos. Na última sexta feira o Presidente brasileiro assinou o tratado que passa para os americanos a posse definitiva da floresta Amazônica, em troca receberemos o direito de votar nas próximas eleições presidenciais americanas e ainda o título de Colônia Americana.
O telespectador manifesta repúdio e ódio.
APRESENTADOR 1 Teatro, música, literatura e outras formas de arte serão proibidas em todo o território nacional a partir da zero hora de amanhã . A televisão considerado o único meio de reprodução cultural saudável prevalecerá sobre todos os outros que são considerados antiquados.
APRESENTADOR 2 Esta instituído, também que a partir de agora todo o aparelho de tv deverá permanecer ligado 24 horas por dia. Duras penas são previstas para o telespectador que tentar desligar sua TV. Portanto nem pense nisso!!!
Começa a tocar a música “Deus lhe pague” de Chico Buarque.
APRESENTADOR 1 MORTE! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 VIOLÊNCIA! (bate o martelo).
APRESENTADOR 1 CENSURA! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 ESTUPRO! (bate o martelo).
APRESENTADOR 1 ATENTADO! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 SUICÍDIO! (bate o martelo).
O Telespectador sofre a cada batida do martelo, ele tenta tapar olhos e ouvidos, mas não consegue. Ele agoniza diante da TV.
APRESENTADOR 1 INTOLERANCIA! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 PRECONCEITO! (bate o martelo).
APRESENTADOR 1 IGNORANCIA! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 ALIENAÇÃO! (bate o martelo).
APRESENTADOR 1 CONDENAÇÃO! (bate o martelo).
APRESENTADOR 2 TELEVISÃO!!!! (bate o martelo).
O telespectador jaz caído ao chão. Sem forças.
A música é interrompida e faz se silêncio no palco por alguns segundos.
Fim do quadro 6
Quadro 7
Estão em cena o telespectador que jaz caído ao chão, os apresentadores que invadem a sala de estar, o político o garoto propaganda e o homem do tempo.
APRESNTADOR 1 Boa noite...!
APRESNTADOR 2 Boa noite...!
HOMEM DO TEMPO Vai Chover...!
POLÍTICO Vote! Verde, Confirma...!
GAROTO PROPAGANDA Compre! Consuma...!
O telespectador com um grito assustador se põe de pé, tendo o controle remoto em mãos. Todos se silenciam.
TELESPECTADOR que incida sobre mim as penas da lei! Só há uma coisa a fazer!
O telespectador ergue o controle para desligar a TV. Todos seguram sua mão. Todos dizem: “Não!”, “Não desliga!”, “acalme-se!”.
O telespectador está tremulo,mas permanece imóvel, todos o deixam... Os jornalistas voltam para seus respectivos lugares e o político, o homem do tempo e o garoto propaganda saem de cena.
APRESENTADOR 1 Notícias de ultima hora.
O telespectador volta a levantar o controle remoto.
APRESENTADOR 2 Com o nosso correspondente direto do final do campeonato estadual!
CORRESPONDENTE O time X venceu o time Y por 5 a 0. Isso mesmo que você ouviu 5 a 0! O time X é o novo campeão estadual!!!
Toca a música de comemoração!
O telespectador deixa cair o controle remoto, tira a camisa, mostrando o uniforme do time X e sai comemorando, abraçando pessoas do público. Após isso ele sai de cena.
Termina a música de comemoração.
APRESENTADOR 1 O telejornal ART.FICIAL fica por aqui.
APRESENTADOR 2 Assista agora capítulo inédito da novela...
OS DOIS APRESENTADORES (apontando para o público) Isso tudo é a sua vida!
Toca a vinheta e as luzes se apagam.
Fim do espetáculo.

GÊNESE

"Quando, seu moço
Nasceu meu rebento
Não era o momento
Dele rebentar
Já foi nascendo
Com cara de fome
E eu não tinha nem nome
Prá lhe dar..."

“herói de nossa gente” nasceu à margem do Uraricoera, em plena floresta amazônica. Descendia da tribo dos Tapanhumas e, desde a primeira infância, revelava-se como um sujeito “preguiçoso”.


"Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai! ser gauche na vida"