domingo, 3 de junho de 2012

O Abrigo

O Abrigo (Take Shelter) - 2011. Escrito e Dirigido por Jeff Nichols. Direção de Fotografia de Adam Stone. Música Original de David Wingo. Produzido por Tyler Davidson e Sophia Lin. Hydraulx, REI Capital, Grove Hill Productions e Strange Matter Films / USA.


Em O Abrigo (2011), Curtis LaForche (Michael Shannon) é um homem trabalhador e dedicado à família, ele vive com a esposa, Samantha (Jessica Chastain), e com sua filha ainda pequena, que é portadora de uma deficiência auditiva. Eles enfrentam problemas como qualquer outro casal (a doença da filha é um deles), no entanto eles possuem uma vida invejável, capaz até de despertar a admiração de seus conhecidos. Contudo,  a estabilidade da família passa a ser ameaçada quando Curtis começa a ter sonhos e visões, nos quais ele se vê indefeso diante de estranhas pragas e de uma tempestade apocalíptica. Tais premonições vão se tornando cada vez mais frequentes na vida dele, o que o leva a tomar a decisão de reforçar e aumentar o abrigo anti-tormenta que ele tem em sua propriedade. Ele se torna então cada vez mais paranoico e a construção do abrigo se torna uma obsessão, ele tenta dissimular tudo que está lhe acontecendo, tanto em casa quanto no trabalho, no entanto chega um momento em que sua aparente loucura vem à tona...

Não tem como não perceber o paralelo que há entre a trama do filme e a história bíblica de Noé. De acordo com o livro de Gêneses, Noé fora uma patriarca que viveu em uma época em que toda a humanidade estava 'corrompida', ele no entanto era um homem 'justo e íntegro' que não se permitira contaminar. Quando Deus decide eliminar toda a humanidade da face da terra, Ele poupa Noé por causa da retidão de seu caráter. Deus o avisa sobre o grande dilúvio que estava por vir e o instrui a construir uma arca, na qual ele se abrigaria junto com sua família durante os quarenta dias em que choveria sobre a terra... No filme, Curtis se vê diante de uma responsabilidade parecida, ele precisa construir o abrigo para proteger a si e à sua família... Mas eis que surge a dúvida, que será explorada durante todo o desenvolvimento do longa: As visões e sonhos que ele tem são de fato reais, ou meras alucinações de uma mente esquizofrênica?


Mantendo o paralelo com a história de Noé, penso que não seria forçação de barra afirmar que Curtis só se deixa levar pelas prováveis alucinações, por ver a si mesmo como um homem tão justo e íntegro, quanto o patriarca bíblico o fora. Aos seus próprios olhos, ele seria um escolhido, alguém que padecera com uma injustiça (a doença da filha) e que seria recompensado caso se mantivesse fiel em sua missão de construir o abrigo. O filme não adota abertamente uma conotação religiosa, no entanto, esta está subtendida em todo o desenrolar de sua trama, afinal se Curtis não está louco, ele está de fato vivenciando uma experiência sobrenatural, que não poderia ser explicada se não através da religião.


Se formos analisar por um outro ponto de vista, perceberemos que o filme também aborda a fragilidade daquilo que se tem como padrão de felicidade, a trama nos mostra de forma bem clara que nem sempre é preciso uma tempestade para deixar um rastro de destruição. À medida que o personagem central perde o controle sobre sua mente, ele perde também tudo aquilo que dava à sua família uma ilusória sensação de segurança, de repente tudo começa a desmoronar, o que mostra que o 'dilúvio' tinha começado bem antes do que ele havia previsto... A resistência do personagem em procurar um psiquiatra pode ser vista, de acordo com a dualidade da trama, tanto como perseverança (afinal Noé também sofreu com escárnio e mesmo assim continuou), quanto como mera teimosia. Ele poderia estar salvando a sua família, ao construir o abrigo, mas também poderia estar a arruinando, ao colocar tanta coisa em risco.


O roteiro de O Abrigo é de uma excelência soberba, ele consegue nos manter durante todo o tempo presos à dúvida angustiante, que surge em relação à sanidade mental do personagem principal, em diversos momentos ele nos dá pistas que favorecem uma ou outra das possibilidades, sem com isso afirmar ou desmentir nenhuma delas. O suspense mantido pelo filme é igualmente fantástico. Já há um bom tempo eu não sentia aquela angustiante sensação de claustrofobia diante da tela, e neste eu a experimentei em sua plena potência. O ápice desta sensação se dá numa das melhores sequências do filme, diante da qual quase perdi o fôlego, nela temos a noção precisa da intensidade do tormento vivido pelo personagem. Todo este suspense é atenuado pela ótima trilha sonora, que forja um clima adequado para cada sequência, ora reforçando a urgência da resolução dos conflitos, ora salientando a suposta pertubação psicológica de Curtis.


A fotografia é outro aspecto do filme que merece o devido destaque, os enquadramentos são muito bem planejados e muito importantes para a narrativa, principalmente pela forma com que eles ilustram a pequenez e fragilidade do homem diante diante da força da natureza que o cerca. O personagem de Michael Shannon é fotografado em diversos momentos do filme em espaços abertos, que destacam o céu sobre ele e a insignificância dele diante da ameaça que pode vir de lá de cima. As cenas que mostram a formação de tempestades, com nuvens negras se juntando no céu, são realmente opressivas e capazes de nos meter medo e isto torna cada uma das visões do personagens assustadoras também para nós espectadores... Se o filme peca em um aspecto técnico, este é o uso de alguns efeitos especias, não tão convincentes, que recriam pássaros em algumas das cenas, mas isto é apenas um pequeno detalhe diante do todo. 


A indiscutível qualidade de diversos aspectos técnicos não é contudo o ponto mais forte do filme, este é sem dúvida alguma as atuações, principalmente a de Michael Shannon. Ele já havia chamado a minha atenção pelo seu desempenho em Foi Apenas um Sonho (2009) de Sam Mendes (que lhe rendera uma indicação ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante), no filme ele interpreta um homem tido como louco pela sociedade, um personagem bem similar ao que ele vive em O Abrigo, no entanto ele cria sutilezas que tornam os personagens bem diferentes um do outro, isto fica perceptível nos gestos, na entonação da voz e principalmente na expressão facial que ele empresta para cada um deles. Jessica Chastain também está muito bem, o que comprova que ela veio mesmo para se firmar como uma das melhores e mais versáteis atrizes de sua geração.

Ainda que tardiamente, incluo este filme na minha lista dos melhores do ano passado, ele é um convite e tanto para que prestemos atenção no trabalho do jovem diretor Jeff Nichols, que já está rodando sua terceira parceria com Shannon... O Abrigo é, em resumo, um filmaço, que merece ser visto por todos, recomendo!


O Abrigo ganhou na Semana da Crítica, mostra paralela de Cannes, o Grand Prix Nespresso (prêmio máximo da mostra), o FIPRESCI Prize e o SACD Award.

Assistam ao trailer de O Abrigo no You Tube, clique AQUI !

A revelação das passagens aqui comentadas não compromete a apreciação da obra,


33 comentários:

  1. Excelente análise, aumentou minha vontade de assistir ao filme... E bela comparação com Noé também, achei muito interessante. Darei prioridade a O Abrigo na minha lista de pendentes :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é um filme muito bem realizado e com excelentes atuações Gabi, isso sem contar o roteiro que me agradou muito, alguns amigos que o assistiram o acharam parado, de fato ele não tem cenas de ação, mas ao meu ver o ritmo dele se torna visceral por causa do suspense que ele cria...

      Excluir
  2. Boa noite, José Bruno.
    Alguns dias atrás eu dei uma pesquisada sobre este filme no Filmow e ele me pareceu realmente interessante, já que não é revelado se o personagem está ou não louco.
    Me parece ser uma ótima pedida, já que gosto de suspenses bem construídos.
    Abraço, José Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ótima pedida mesmo Jacques, além de um roteiro brilhante o filme anda conta com excelentes atuações, assista sem receios!

      Excluir
  3. Cara, sempre que num filme houver demência, loucura, tensão, me atrai. E esse tem isso. Fora o lance do jogo de câmera.

    bah meu, cada vez que entro aqui, vejo que não sei nada de filme e não vi nada de filmes. Foda.

    Antes de baixar esse, te deixei uma msgem no face, quero saber sua opinião de um outro filme.

    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com

    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    The Tramp Mind: The-tramp-mind.tumblr.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jim, estes temas também me atraem, acho que foi na verdade a questão da 'loucura' do personagem o que mais despertou a minha curiosidade em relação ao filme quando li sobre ele a primeira vez e eu achei genial a forma com que este aspecto foi abordado pelo roteiro!

      Excluir
  4. Mais um dos muitos filmes que Jessica Chastain fez no ano passado. Pelo seu comentário parece ser muito bom...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim Gilberto e ela está, mais uma vez, ótima!

      Excluir
  5. Pela tua análise parece ser interessante, Bruno!
    Ainda não vi... o tempo nem para cinema tem dado!!!
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rui, sei muito bem como é esta questão do tempo, os sintomas do estresse parecem me perseguir por eu não conseguir administrar melhor o meu já escasso tempo, tenho demorado para responder comentários, para visitar blogs parceiros e também para postar, mas assim vamos levando né... Todavia, fica a dica, este filme será uma grande pedida para quando você tiver um tempinho de folga!

      Abraço meu caro!

      Excluir
  6. Parece ser bom, mesmo. Fiquei curioso para assistir!

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/ (já tem post novo lá!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É realmente um filme muito Gabriel, não deixe de assisti-lo!

      Excluir
  7. Ola Bruno,

    Ainda não vi este filme, mas pelo que escreveu parece ser bom sim! Vou ficar de olho, no entanto, creio que este filme não fuja muito da realidade de muitas pessoas ao redor do globo que estão construindo verdadeiras fortalezas, ou super abrigos, em função da paranoia do anunciado fim do mundo em 2012.

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Enquanto estava vendo o filme, eu lembrei mesmo Flávio destas pessoas, há pouco tempo eu assisti uma matéria na tv sobre pessoas que se deixaram levar por este alarmismo. O legal, é que o filme explora isso de uma forma fantástica e através desta temática ele explora outras tantas que também são bem atuais...

      Excluir
  8. A sua análise correlacionando o protagonista a Noé foi inédita para mim (e bastante interessante). Parabéns.

    Também achei o filme sensacional.

    ResponderExcluir
  9. Um filme que reforça o talento de Jessica Chastain...

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tenho dúvida disso Antonio, a interpretação dela é muito boa, ela é realmente uma grande atriz que está escrevendo seu nome da melhor forma possível na história do cinema contemporâneo...

      Excluir
  10. Oi Bruno
    Não vi esse filme, e iria "passar batido" se não fosse pela sua bela crítica, vou alugar, com certeza.
    Bjão querido e um ótimo feriado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um filme excelente Luciana, acho que você irá gostar dele! Assista e me diga depois o que você achou!

      Excluir
  11. Me indicaram uma vez, mais eu não sabia que era tão bom! Arrasou! :)

    Beijao, spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sabrina, que bom que a resenha despertou seu interesse, o filme é muito bom sim, um dos melhores do ano passado na minha opinião!

      Excluir
  12. Bruno; mas que prazer recebê-lo em meu blog!
    Confesso que ainda não conhecia este filme (acho que voltei no tempo e parei HAHAHA) mas pelo seu texto e pela nota final, me pareceu muito interessante. Vou assistir o quanto antes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista sim, é um filme muito bom, que explora algo que vai além do mero espetáculo que tantos outros filmes de hoje em dia exploram...

      Excluir
  13. Já vi o primeiro filme de Jeff Nichols, "Shotgun Stories", e recomendo muito. Um filme singelo e ímpar. No entanto, ainda não conferi O Abrigo - vontade é o que não falta! Todo mundo está falando muito bem. E Michael Shannon é simplesmente um monstro. Dá show em Boardwalk Empire. Interessante, aliás, o paralelo traçado entre Noé e o personagem do filme no seu texto, algo que não havia visto ninguém fazer. Só me instigou mais ainda a conferir esta obra!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei muito curioso para ver "Shotgun Stories" depois de ter visto "O Abrigo" Júlio... Não demore tanto a ver este filme, eu espero sinceramente que ele te impacte da mesma forma que me impactou!

      Excluir
  14. Assisti recentemente 'O Abrigo", tinha lido muita gente escrever bem sobre o filme mas não me empolgou muito. Ele me lembrou alguns filmes do M.Night Shyamalan, diretor que não curto muito, com exceção de O Sexto Sentido. Acho que quem gosta do trabalho dele poderá gostar desse Take Shelter.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também não curto o trabalho M.Night Shyamalan e confesso que vejo bem pouca semelhança entre "O Abrigo" e os filmes dele. A maneira de forjar o suspense é diferente e principalmente o tipo de abordagem do filme...

      Excluir
  15. Assisti e logo de cara virei fã.
    Adoro essa temática e sobre a fotografia concordo contigo.
    O filme consegue nos deixar levemente angustiados e ao mesmo tempo com a reflexão: somos nosso próprio veneno e destruição.
    Ou não...
    bjs

    ResponderExcluir
  16. Olá Bruno, desculpe minha ignorância procurei em vários blogs e não consegui entender o final, na praia houve realmente a tempestade? Ou seja ele na verdade não era louco, e sim tinha premonições do que iria acontecer? Me explique por favor, muito obrigado desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti nessa madrugada e também ñ consegui entender o final.

      Excluir
    2. Assisti nessa madrugada e também ñ consegui entender o final.

      Excluir
  17. eu não entendi o final. Era só sonho ou se tornou realidade?

    ResponderExcluir