terça-feira, 30 de agosto de 2011

Damages

Originalidade e ousadia que correm o risco de acabar
por falta de audiência!



Uma garota sai de um prédio como se estivesse fugindo da cena de um crime, ao ganhar a rua ela corre desesperadamente e aparentemente sem rumo, ela parece esconder algo sob o blazer que está usando, a tentativa de disfarçar a situação no entanto é inútil, ela está em pânico e suas roupas estão ensanguentadas. Ela parece fugir de algo ou estar buscando alguém que a possa ajudar. Há um corte e a próxima cena a mostra já detida em uma delegacia de polícia. O estado de choque, em que se encontra, a impede de dizer ou explicar qualquer coisa. 

A história volta seis meses no tempo, e assim ficamos conhecendo melhor Ellen Parsons (Rose Byrne), a moça da primeira sequência, ela é uma jovem idealista que acabou de concluir com mérito a faculdade de direito e está à procura de uma oportunidade de emprego em algum dos renomados escritório de advocacia de Nova Iorque. Ela recusa uma grande oportunidade apenas pela chance de ter uma entrevista na firma Hewes & Associates. Trabalhar sob a batuta da conceituada advogada Patty Hewes (Glenn Close) parece ser ser o sonho de quase todos os advogados da cidade e Ellen tem esta oportunidade em suas mãos. O mistério acerca da trama começa quando o advogado, do qual Ellen recusou a proposta de emprego, lhe alerta sobre as consequências de trabalhar com Patty.

 

A Hewes & Associates está conduzindo um caso que tomara grandes proporções, o milionário Arthur Frobisher (Ted Danson) é acusado de ter dado um golpe em seus investidores e em seus funcionários, estes tinham seus fundos de pensão aplicados em papéis da empresa na qual trabalhavam e perderam tudo quando estes papéis se desvalorizaram. Há a suspeita de que Arthur teria planejado o colapso que seus investimentos sofreram, pois ele mesmo dias antes da queda sacara um grande aporte do fundo. O caso Frobisher já havia tramitado pela justiça federal e Arthur tinha saído ileso das acusações de lesão ao sistema financeiro americano. Mesmo não tenho nenhuma prova concreta, Patty Hewes abraça a causa dos milhares de funcionários e afirma que não irá descansar enquanto não colocar Arthur diante do juri. 

Vou parar por aqui, porquê ao revelar qualquer outra coisa, eu estaria acabando com o prazer de assistir a série. Damages proporciona um verdadeiro mergulho no psicológico dos personagens ao analisar a competitividade no mercado de trabalho, a dificuldade de estabelecer prioridades, a irreversibilidade de decisões e a dificuldade de depositar confiança no próximo em um contexto onde não se sabe aonde está pisando.

 

Damages tem sua trama conduzida por um emaranhado de situações que vão se interligando pouco a pouco no tempo e no espaço. A série tem um dos melhores roteiros já produzidos para a televisão, as reviravoltas que a trama sofre até o final desta primeira temporada é de deixar qualquer um com o queixo caído e diante dela a grande maioria dos seriados policiais e investigativos parecem simplórios episódios do Scooby Doo. O excelente roteiro de Damages é reforçado pela ótima montagem, pela trilha sonora e pelas atuações brilhantes. Nenhum dos atores deixam a desejar, nem mesmo os coadjuvantes, que conseguem se impor e se destacarem, mesmo tendo dois verdadeiros monstros em cena. Glenn Close e Zeljko Ivanek, que interpreta Ray Fiske, o advogado de Arthur Frobisher, parecem duas entidades, é assustadora a forma com que eles entram e seus respectivos personagens e vivenciam cada uma das situações e sentimentos que eles estão experimentando. As sequências em que eles contracenam são de arrepiar, sem nenhum exagero.

 

E não foram só arrepios que a série me provocou, há muito tempo eu não me sentia tão incomodado e ansioso diante de um programa de televisão e isso simplesmente não tem como explicar ou descrever. Acredito que manter esta tensão dramática em 13 episódios (por enquanto só assisti a primeira temporada) seja muito mais difícil que sustentar a mesmo suspense em um filme, pois pela duração, a série corre muito mais o risco de se perder no decorrer dos capítulos ou deixar no roteiro vácuos e situações inexplicadas e isso definitivamente não é o que acontece com Damages. Mas como na televisão o que é realmente bom é pouco valorizado, a série passou por maus momentos nos últimos anos, não em seu conteúdo, mas em sua produção. Apesar de ser um sucesso estrondoso de crítica, a série não convenceu o grande público, aquele que não se dispõe a pensar diante da televisão e isso foi um banho de água fria em seus financiadores.

 

Damages estreou nos Estados Unidos em 24 de Julho de 2007, sendo exibida pelo canal FX subsidiário da FOX, porém após o final da terceira temporada, o canal decidiu cancelar a série pela baixa audiência. Em julho de 2010, depois de uma sequência de negociações entre emissoras e produtoras, a DirecTV anunciou que financiaria mais duas temporadas da série, cada uma destas com dez episódios. Com mais esta chance, Damages estreou este ano no canal The 101 Network, que detém agora a exclusividade na exibição dos episódios nos Estados Unidos. Torço para que a série não perca o padrão de qualidade que a crítica especializada e o público mais exigente observou em suas primeiras temporadas e que dure apenas enquanto deva durar, pois às vezes é melhor ser finalizada antes que se transforme em uma cópia de si mesma, como frequentemente acontece.

 

Em sua primeira temporada, Damages chega a ser perturbadora, principalmente quando percebemos que temos um pouco de Ellen e de Patty e que suas suas atitudes são completamente humanas, apesar de condenáveis em diversos momentos. Ambas representam tipos que são encontrados em quase toadas as organizações, de um lado aquele que que está disposto a fazer de tudo e colocar tudo em risco pela carreira e de outro lado aquele cuja carreira virou sua vida e todo o resto é secundário por girar em torna dela, temática mais atual impossível! Ultra recomendado, mas apenas para quem tem bom gosto!


Em 2008 Damages ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz em uma Série - Drama (Glenn Close), tendo sido indicada também nas categorias de Melhor Série - DramaMelhor Ator (Ted Danson) e Melhor Atriz (Rose Byrne) Coadjuvantes em Série, Minissérie ou Filme para Televisão. Em 2010 a série foi indicada ao mesmo prêmio nas categorias de Melhor Atriz em uma Série - Drama (Glenn Close), Melhor Ator (William Hurt) e Melhor Atriz (Rose Byrne) Coadjuvantes em Série, Minissérie ou Filme para Televisão.

Assistam ao trailer da série Damages no You Tube,
clique AQUI !

.

3 comentários:

  1. legal seu blog, estou seguindo e já curti ele, se poder retribui no meu blog http://301turmadofundo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. heim, Zé, sendo seguido por blogueiros... tá evoluindo

    ResponderExcluir
  3. J. Bruno, como te falei no apimentários, esse seriado foi super indicado... está anotado como próximo à ser apreciado! ;)

    bjks JoicySorciere - Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir