segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Missão: Impossível - Protocolo Fantasma

Missão: Impossível - Protocolo Fantasma (Mission: Impossible - Ghost Protocol) - 2011. Dirigido por Brad Bird. Escrito por Josh Appelbaum e André Nemec. Direção de Fotografia de Robert Elswit. Música Original de Michael Giacchino. Produzido por J.J. Abrams, Bryan Burk e Tom Cruise. Paramount Pictures e Skydance Productions / USA | Emirados Árabes Unidos.


Ninguém que tenha visto os três primeiros filmes da franquia de Missão: Impossível e que esteja em sã consciência pode dizer que Protocolo Fantasma (2011), o quarto filme da série, é decepcionante, afinal ele repete a mesma fórmula que foi usada nos primeiros, com a excelente execução técnica que já é característica da franquia. Neste caso, repetição não pode, por si só, ser considerada um fator de frustração, uma vez que o público já sabe o que esperar do filme. Por mais absurdo que isto possa  parecer, o fato de o filme ser apenas mais do mesmo é o que o torna tão interessante e isso se deve ao fato de que não se espera dele nada de extraordinário no tocante à trama, atuações e demais aspectos artísticos. O público que curtiu os primeiros longas protagonizados pelo agente Ethan Hunt (Tom Cruise) quer apenas vê-lo salvar o mundo mais uma vez, de preferência em uma história que ofereça tão somente entretenimento leve e de fácil digestão.

Aceitando-se que a proposta de Missão: Impossível - Protocolo Fantasma não é a de ser uma obra de arte, ou a de alcançar uma significativa profundidade dramática, fica mais fácil enxergá-lo como um bom filme, o que de fato ele é. Brad Bird, diretor que tem no currículo duas animações vencedoras do Oscar  - Os Incríveis (2004) e Ratatouille (2007) - assumiu a direção do longa e realizou um excelente trabalho, digno dos mais sinceros elogios. Neste, que foi seu primeiro filme em live action, Bird demonstrou uma grande habilidade para conduzir cenas de ação e para manter uma tensão sempre crescente. Desde a primeira sequência o filme adquire um ritmo rápido, que mal dá tampo para o espectador respirar, uma cena de tirar o fôlego é sempre sucedida por outra tão impressionante quanto e esta enxurrada de ação é conduzida de uma forma que não permite que a história perca o sentido e a continuidade.


Não há nada de novo no roteiro escrito por por Josh Appelbaum e André Nemec, pode-se dizer que ela apenas remonta o mesmo tipo de situação que já fora vista nas outras produções da franquia. Como é comum acontecer em películas do gênero, a história busca seus fundamentos naquele que teria sido o período clássico da espionagem como a conhecemos, a guerra fria. O que vemos no filme é ainda um resquício do mundo bipolarizado e do embate entre os Estados Unidos e a antiga União Soviética. 

Em Missão: Impossível - Protocolo Fantasma estão presentes todos os elementos característicos dos filmes de agentes secretos, lá estão as perseguições, a corrida contra o tempo, os planos de fuga e os disfarces. Mesmo não sendo originais, estes elementos são muito bem explorados pela narrativa, que transita por questões complexas, mas sem se aprofundar nos temas políticos em que toca. 


No início do filme, o agente Ethan Hunt se encontra encarcerado em uma prisão russa, uma missão de resgate é enviada ao locar para libertá-lo, após escapar de lá ele recebe uma nova missão, ele deverá se infiltrar no  Kremlin (fortaleza russa) e roubar códigos secretos que serviriam para ativar um arsenal nuclear. Algo dá errado durante a execução da missão e o presidente dos Estados Unidos declara o Protocolo Fantasma, através do qual ele desativa a IMF (Impossible Missions Force), agência para a qual Ethan trabalha,  e este passa a ser considerado um extremista perigoso e se torna um foragido. Sem o apoio e os recursos oferecidos pela agência, o espião se junta aos remanescente de sua equipe, Brandt (Jeremy Renner), Benji (Simon Pegg) e Jane Carter (Paula Patton), para impedir que uma provável devastação nuclear  aconteça.


É inegável que a presença de Tom Cruise no elenco é um ponto positivo, eu sinceramente não consigo imaginar a franquia sem ele e sem o carisma de seu personagem, contudo sua atuação não tem nada de extraordinária, sua interpretação é pautada apenas pelo básico, o feijão com arroz, o que não é de todo uma problema, uma vez que o filme não lhe pede nada além disso. Vale a pena destacar o fato de ele mesmo, no auge de seus quase 50 anos, ter gravado algumas das sequências mais arriscadas do longa, feito que à primeira vista teríamos facilmente atribuído aos dublês. Jeremy Renner, Simon Pegg e Paula Patton embarcam no mesmo tipo de atuação automatizada e maniqueísta, o que, reforço, não é um problema tendo-se em vista a superficialidade da trama.


Como tem sido comum em boa parte dos filmes hollywoodianos, Missão: Impossível - Protocolo Fantasma realiza uma espécia de convergência entre gêneros, sem com isso perder seu rótulo principal que é o de filme de ação, ele flerta com a comédia, através de gags físicas e de tiradas feitas pelos personagens, e com o drama, trabalhado na história através da culpa e do ressentimento que dois dos personagens sentem, sendo que em um deles tais sentimentos são provocados pela morte de uma pessoa querida e no outro pelo fracasso na realização de um trabalho que lhe foi confiado. Em diversas produções tal tipo de flerte com gêneros distintos chega a ser um incômodo, por não ser feito na medida certa, porém, neste, apesar de totalmente dispensável, esta convergência é feita de uma forma sutil, que não chega a incomodar. As pitadas de humor presentes na trama é um dos diferenciais em relação aos outros filmes da franquia e se mostra como um viés a ser explorado em outros longas que provavelmente ela ainda renderá.


Missão: Impossível - Protocolo Fantasma é um ótimo filme pipoca, que funciona muito bem como entretenimento. Ao assisti-lo, preste atenção na excelente escolha das locações (o filme começa em Budapeste, passa por Moscou, Dubai, Bombaim e termina nos Estados unidos) e na sequência que se passa no Burj Khalifa, considerado o prédio mais alto do mundo... 

Este filme é uma boa pedida para uma sessão escapista após uma dia de elevado estresse, situação na qual posso garantir, por experiência própria, que ele funcionará muito bem. Recomendo!


Assistam ao trailer de Missão: Impossível - Protocolo Fantasma no You Tube, clique AQUI !

A revelação das passagens aqui comentadas não compromete a apreciação da obra,

34 comentários:

  1. Bacana a tua crítica, seria um filme que eu não pagaria pra ver, apenas se passasse na tv, a franquia sinceramente me irrita por eu não gostar de fórmulas prontas como a que ela utiliza.
    Abç.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo Léo, eu penso que os filmes com fórmulas já prontas não têm valor como arte, mas a verdade é que esta não é mesmo a proposta de "Protocolo Fantasma", sua pretensão, como eu disse, é a de ser apenas um bom entretenimento e esta ele cumpre bem.

      Excluir
  2. Olá, José Bruno.
    Gosto muito das animações do Brad Bird e fiquei feliz em saber que ele conseguiu acertar a mão dirigindo atores reais neste filme de ação quase
    ininterrupta.
    E é bem como você falou, diversão e entretenimento sem maiores pretensões.
    Ainda não assisti, valeu a dica.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assista sem grandes expectativas e ele funcionará com um ótimo entretenimento!

      Excluir
  3. É bom né? Mentiroso como os outros, mas vale pela prosposta, já que a missão é impossível...
    Assisti somente ao primeiro filme, gosto de ficção, ação e um pouco de mentira, mas esse Brunim é mentiroso demais da contaaaaa!
    beijokas doces e uma boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda acho que há outros muiiito mais mentirosos, e o exagero é característico do gênero, quase inevitável, portanto. Ótima semana para ti também!

      Excluir
  4. Todos os filmes da franquia possuem uma única estruturação o que deixa bastante a desejar.
    Vi esse filme no lançamento e corri no blog para publicar minha crítica,eu até que gostei,o filme consegue entreter,tem surpreendentes doses de ação e boas locações.Tom Cruise mostrou que apesar de não ser mais nenhum garotão,ainda possui fôlego e realizou sua Missão Impossível.
    Abraço!

    Bruno
    http://oexploradorcultural.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse no texto Bruno, eu já sabia o que esperar dele, acho que não dava mesmo para esperar uma estruturação diferente da que já tínhamos visto nos outros filmes, a falta de expectativas e a ciência do que esperar dele contaram muito para que eu tivesse uma impressão bastante positiva dele.

      Excluir
  5. Beleza de crítica Brunão! Eu gostei dos outros e tenho certesa que vou gostar desse também!


    Valeu irmão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gostou dos outros da franquia com certeza irá gostar deste também André, assista!

      Excluir
  6. Ainda não vi, mas eu o baixei recentemente para conferi-lo. Confesso não achar muito bons esses filmes, mas eu me entretenho bastante com essas perseguições, então, mesmo que forçado, vale a pena dar uma conferida, né.

    Cara, veja lá a nossa etapa de opiniões no "E o Oscar foi para...": http://eooscarfoipara.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena conferir sim, é um ótimo filme de ação!

      Excluir
  7. Olá Bruno... falando do filme eu gostooo de filmes assim, eu não sou chata, pra que eu não goste de um filme, ele tem que ser muitoooo ruim, este aí eu ainda não vi, mais quero assistir sim... vi a pouco tempo Contagio e eu gostei do filme, me fez ficar pensando e pensandooooo... sabe aqueles filmes que deixa vc pensando e se...?
    Rsrsrsrsrs... medo isso sim... rsrsrsrs.
    Agora preciso dizer, de como vc foi carinhoso em seu comentário, quando vejo pessoas falando ou escrevendo assim pra mim, me vejo fazendo uma coisa incrivel, mas não era pra ser assim, o certo era para que todos agissem assim com os animais? Eu amo meus animais, sofro com eles, fico sem dormir por eles, são meus filhos e ver que vc ficou emocionado, renova tbm a minha esperança de que existe mais homens como vc, verdadeiros homens.
    Beijooos e obrigada pelo carinho o Rock já está 100% e eu rindo que nem boba das travessuras dele... rsrsrsrs... beijos e obrigada mesmoooo pelo carinho!!
    Boa semana pra vc...♥

    http://www.artesdosanjos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jane, você sempre me deixa emocionado com seus posts, quando você fala sobre seu cuidado e carinho com os animais, fico imensamente feliz que o Rock tenha melhorado!

      Eu assisti "Contágio" (a resenha dele foi publicada aqui no Sublime), mas não gostei tanto, acho que ele ficou devendo no tocante à profundidade, o que é um resultado do excessivo número de personagens...

      Excluir
  8. Excelente filme... ótima critica! E que venha o quinto episódio da série!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Oii amigo, demais esse filme amei!!! Principalmente pelos países onde as cenas foram filmadas, Show demais, e vc descreveu muito bem! Abraçoooss

    ResponderExcluir
  10. Oi Bruno
    Finalmente um filme que vc recomenda que eu assisti kkkkkk. Eu pensei que vc iria dizer para "desligar o cérebro" ao assiti-lo. Eu assisti a todos. A cena que ele escala o prédio é surreal kkkkkkkkk, muito mentiroso, acho que só perde para Duro de Matar 4.0, mas como vc disse vale para desestressar. Ótima crítica, como sempre.
    Bjão. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Luciana, faltou mesmo a dica para desligar o cérebro, ainda que o filme seja bom em sua proposta, a dica ainda se faz necessária.

      Excluir
  11. Oi Bruno,

    Tudo bem? Não assisti esse filme por preconceito e Mateus foi com o tio se não me engano. Não tenho o que comentar porque diferentemente do público, não gostei dos anteriores, principalmente pelo excesso de mentiras e impossibilidades.

    Mas a crítica feita por você é divina.

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou da crítica Luciana, como eu disse, é tudo uma questão de analisar o filme pela sua proposta, na verdade o que não gosto é quando um filme comercial tenta se passar por cinema de arte sem o ser, o que não é o caso. Em determinadas situações o exagero é até legal, o que seria da franquia de "Indiana Jones", por exemplo, se não fosse o exagero?

      Excluir
  12. J. Bruno, a verdade é que o tempo de filmes de ação(mentirosos pra danááááá... diga-se de passagem) não tem mais vez para mim! Acho que hj não consigo mais assistir esse estilo. Não digo que jamais irei assistir novamente, mas, só se marido pedir com muito jeitinho(ele gosta de filmes assim. rs).

    bjks :)

    JoicySorciere => CLIQUE => Blog Umas e outras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é meus estilo favorito também, mas ainda assim acho ainda exista algum espaço para eles, confesso que há dias em que tudo que eu quero é um entretenimento leve, o que ao meu ver é natural. O que não consigo digerir são os filmes de ação do gênero 'brucutu' sem cérebro.

      Excluir
  13. Gostei da crítica amigo. Assisti esse filme no cinema e me diverti muito enquanto estava assistindo. Claro que não é uma obra reflexiva, mas como vc bem ressaltou, é um ótimo escapismo. Acredito que o cinema também é de muita valia qd propõe diversão. O que mais gosto nesse filme é o trabalho em equipe, coisa que fez falta no MI:II e MI:III.

    Abração!

    ResponderExcluir
  14. Cinema não tem que ser só reflexão. Tem horas que a gente só quer ver um filme, só isso. Um filme pode muito bem ser só um filme.
    Gostei dos dois primeiros "Missão Impossível". O que atraía na antiga série em que foi baseada essa franquia eram as máscaras tão "perfeitas" que os agentes usavam para se passar por outras pessoas. E eu adoro a música tema, tanto que comprei o CD da trilha sonora.

    Adorei sua resenha crítica. Perfeita!

    um abração pra você, Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Ligéia, eu fico feliz que você tenha gostado. Concordo com o que você disse sobre o cinema não ter que ser só reflexão. Como eu disse em outros comentários, eu não vejo nenhum valor artístico em obras que primam pelo entretenimento, mas compreendo que elas sejam necessárias e certamente há momento em que só queremos desligar o cérebro e apreciar uma história escapista...

      Excluir
  15. Um filme, na verdade, pode ser muitas coisas, complementando o que a Ligéia quis dizer, creio. Certamente o entretenimento é o mais pedido, afinal quem não aprecia um filme-pipoca?

    Eu gosto da série Missão:Impossível, só não muito do segundo dirigido pelo John Woo. Tom Cruise ainda manda bem e dá para o gasto, mas é impressionante notar neste eletrizante e satisfatório capítulo o quanto ele já esta envelhecendo, aquele tipo masculino maduro meia-idade, provavelmente o Sean Connery em seu quinto ou sexto filme como James Bond. Veremos até onde vai a série e o que esperar do quinto...

    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O segundo filme é mesmo o mais fraco da franquia, não é por acaso que eu lembre tão pouco da trama dele, ele é o que menos funciona como bom entretenimento e não tem nenhuma outra qualidade que se sobreponha à eta.

      Excluir
  16. Adorei esse filme.
    Passei um bom tempo sem publicar, mas estou de volta.
    Brad Bird mostrou uma direção segura, e achei que Tom Cruise atuou muito bem.
    Abraços,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que você tenha voltado a postar Mateus, pois gosto muito de teu blog!

      Penso que a direção do Brad Bird é o melhor e mais surpreendente aspecto do filme.

      Abraços!

      Excluir
  17. Desde que seja um bom filme de acção, é tudo o que peço. Apesar de ser fã do franchise, ainda não vi este filme, mas gostei de ler o texto. Cumprimentos

    http://onarradorsubjectivo.blogspot.pt/

    ResponderExcluir