quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Como Treinar seu Dragão

Como Treinar seu Dragão (How to Train Your Dragon) - 2010. Dirigido por Chris Sanders e Dean DeBlois. Escrito por William Davies, Dean DeBlois e Chris Sanders, baseado no romance homônimo de Cressida Cowell. Música Original de John Powell. Produzido por Bonnie Arnold. DreamWorks Animation. / USA.

 

O sonho do homem de voar vem desde a antiguidade e na mitologia grega foi ele o que inspirou o mito de Ícaro. Segundo a estória, Ícaro teria ficado preso junto com seu pai, Dédalo, no labirinto, onde tempos antes Teseu matara o Minotauro. Na tentativa de escapar do labirinto, Dédalo criou asas para si e para o filho, feitas com penas de gaivota atadas com cera de mel de abelha. Ao receber as asas do pai, Ícaro foi alertado sobre os perigos de voar próximo do sol e do mar, pois as asas poderiam se derreter ou se tornarem muito pesadas. O desfecho da história, motivado pela desobediência de Ícaro, já deve ser do conhecimento de todos, tal final trágico confere ao mito um caráter moralizante, que alerta sobre os perigos de transcender sua própria natureza e ir além de seus limites. Porém tais limites não existem quando se trata de arte. O cinema, a fantástica fábrica de sonhos, já tornou voar um sonho possível há muito tempo, mas mesmo depois de realizados os sonhos continuam a nos fascinar, queremos voar mais alto, tal como Ícaro ansiamos pelo perigo e por chegar o mais próximo possível do sol. Talvez isso explique em parte o que senti assistindo Como Treinar seu Dragão (2010) e o que torna o filme tão legal.

Esta é Berk, fica ao norte de Desânimo e ao sul de Morrendo de Frio. Ela fica solidamente localizada no Meridiano da Miséria. Minha aldeia em uma palavra: sólida... Tem estado aqui por 7 gerações, mas cada casa aqui é nova em folha. Temos pesca, caça e um belo pôr-do-sol. O único problema são as pragas. A maioria dos lugares tem ratos ou mosquitos... mas nós temos... DRAGÕES!” Brilhantemente, eta narração feita em off pelo personagem principal no início do filme, resume a realidade do local onde a trama está ambientada. Aquele vilarejo viking encravado nas montanhas de fato não tema nada do que viver além da caça e da pesca, se é desanimador fugir para o sul, para o norte gelado seria pior ainda. Como o personagem explica na sequência, as casas são todas novas pois são frequentemente destruídas pelos ataques de diversas espécies de dragões.

 

A história gira em tono do garoto Soluço (voz de Jay Baruchel no original), o personagem que nos conta a sua história e o drama de seu povo. Desde a primeira sequência percebemos que ele não é muito querido em seu vilarejo por ser desastrado e um péssimo caçador de dragões, ele sofre com a falta de crédito dos mais velhos e com o bulling (tá na moda) feito pelas crianças de sua faixa etária. Durante o ataque de dragões mostrado na primeira sequência, Soluço desobedece o pai e sai do abrigo para tentar abater um dragão e recuperar a confiança de seu povo. Contrariando todas as expectativas, ele consegue acertar um Fúria da Noite, uma das espécies mais raras e perigosas, que até então nunca tinha sido vista por nenhum viking. No entanto o crédito de Solução não vem, pois ninguém testemunhou seu feito e já não dão mais ouvidos para o que ele fala. No dia seguinte, o garoto contraria mais uma vez o conselho do pai e vai em busca do dragão que acertara. Ele encontra o Fúria da Noite imobilizado, mas ao perceber no olhar do dragão aquilo que ele mesmo sentira a vida toda, ele desiste de aplicar um golpe fatal e acaba soltando-o. O dragão o ataca furiosamente, mas também desiste de matá-lo no último momento.

 

Soluço descobre que o Fúria da Noite, que ele apelida de Banguela, não consegue mais voar por ter perdido uma parte da calda, ele passa então a levar alimentos para o dragão e assim, pouco a pouco, ele vai ganhando a sua confiança. À medida que vai conhecendo Banguela melhor, Soluço vai desfazendo o preconceito que nutria contra os dragões, sentimento este que herdara de seu povo. O garoto percebe deste modo que não precisa ser aquilo que os outros esperam que ele seja, mas, devido ás pressões do pai e da vila, ele dá continuidade ao curso de caça, no qual se matriculara para se aproximar de Astrid (voz de America Ferrara no original), uma garota que ele tenta impressionar a todo custo. Soluço experimenta o que poderia ser classificado como um conflito ético, ela não sabe se rompe com os costumes de seu povo e defende o novo amigo, ou se usa o que aprendeu sobre os dragões para aniquilá-los.

 

Como Treinar seu Dragão tem uma mensagem tanto bela quanto urgente, pois fala de compreensão de diferenças e superação de preconceitos, virtudes que nossa sociedade tem ignorado ou cultivado apenas por hipocrisia. A posição do vilarejo no tocante à questão dos dragões é assustadoramente semelhante à nossa atitude diante de temas que ainda causam polêmica no mundo contemporâneo. O filme ainda nos ensina a valiosa lição de que em determinadas situações não é preciso lutar contra os nossos medos, apenas domá-los e compreendê-los melhor. A virtude do personagem principal não está em sua coragem, nem seu posicionamento diante do vilarejo pode ser considerado um comportamento vicioso. Quando os costumes e a tradição se tornam opressores e contrários à noção pessoal do que é correto, é sinal de que a moral vigente está sendo posta em cheque, o que em algumas situações pode ser algo negativo, mas na maioria das vezes não o é...

 

Além do conteúdo excelente, que o torna uma produção quase Pixariana, o filme ainda nos presenteia com belíssimas imagens. A sensação de estar voando, junto com Soluço, sobre o dragão é indescritível e o filme a reproduz com maestria singular. Poucas vezes na história do cinema a sensação de voar livre, acima das nuvens e dos problemas cotidianos, foi tão bela e carregada de significados, sendo para nós expectadores uma experiência mágica, que por si só já faria o filme valer a pena. O filme peca, na minha opinião, apenas na dublagem feita por Jay Baruchel, que parece em alguns momentos estar fora de sintonia com aquilo que o personagem dublado aparenta sentir, mas isso é apenas um detalhe... Como Treinar seu Dragão é uma prova concreta de que a animação talvez seja o gênero em que o cinema mais amadureceu nos últimos anos e de que isso não se deve tão somente à revolução tecnológica... Altamente indicado para crianças de todas as idades!


Como Treinar seu Dragão foi indicado aos Oscars de Melhor Filme de Animação
e Melhor Trilha Sonora.

Assista ao trailer de Como Treinar seu Dragão no You Tube, clique AQUI!

.

6 comentários:

  1. Sou uma destas crianças de qualquer idade que amou este filme! Dá uma vontade de entrar na onda dos dragões e partir para batalha...

    E a trilha sonora.. Amei!

    ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A experiência proporcionada pelo filme é indescritível né Karla, eu acho que perderia meu medo de altura e partiria também para a batalha!

      Excluir
  2. Caríssimo, estou com um novo teste de conhecimentos cinematográficos. Venha participar. Kate Hepburn é o tema.
    Abraços,

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  3. Sem palavras para sua postagem, vc escreve muitoooo bem, conseguiu passar detalhes do filme perfeitamente. Amei de verdade!!*-*
    Seguindo viu, adoro ler dicas de filmes e seu Blog é nota 10!! Bjs
    http://www.artesdosanjos.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jane!
      Fico muito feliz que você tenha gostado de meus textos... Seja bem vinda ao Sublime Irrealidade! Bjs

      Excluir