sexta-feira, 20 de abril de 2012

X-Men: Primeira Classe

X-Men: Primeira Classe (X-Men: First Class) - 2011. Dirigido por Matthew Vaughn. Escrito por Ashley Miller, Zack Stentz, Jane Goldman e Matthew Vaughn. Direção de Fotografia de John Mathieson. Música Original de Henry Jackman. Produzido por Gregory Goodman, Simon Kinberg, Lauren Shuler Donner e Bryan Singer. Bad Hat Harry Productions, Donners' Company, Marvel e Twentieth Century Fox Film Corporation / USA.


Na última década houve um revival dos filmes de super-heróis e de adaptações de HQs, alguns  personagens ganharam as telas pela primeira vez e outros tiveram suas histórias revisitadas em versões bem diferentes das anteriores. A maioria das obras do gênero produzidas desde então foram construídas sobre uma mesma fórmula, que consiste em mesclar uma trama rasa a uma boa dose de ação, efeitos espetaculosos e situações cômicas. Os longas que subverteram este molde já saturado foram ao meu ver os mais bem sucedidos, temos como o melhor exemplo disso o excelente Batman - O Cavaleiro das Trevas (2008) de Christopher Nolan, que é na minha opinião simplesmente o melhor filme de super-herói já produzido... prequel X-Men: Primeira Classe não alcança nem de longe o nível de qualidade do filme de Nolan, ele também não está totalmente fora da fórmula anteriormente citada (afinal ele reproduz alguns de seus clichês mais batidos), e mesmo não propondo nenhum tipo de abordagem ou narrativa que não sejam as convencionais, ele ainda pode ser considerado um filme bem acima da média.

A franquia protagonizada pelos mutantes já havia rendido uma trilogia - encerrada com o controverso X-Men - O Confronto Final (2006) - e um Spin-off - X-Men Origens: Wolverine (2009) - e nenhum destes escapou da maior polêmica que geralmente acomete as adaptações: a questão da fidelidade aos originais. Isto fez com que cada um deles dividisse a opinião de cinéfilos e de fãs da HQ, da qual eles foram adaptados. Em X-Men: Primeira Classe a situação tenderia a se agravar, uma vez que sua trama entra em conflito não só com a história original, mas também com passagens presentes nos filmes rodados anteriormente e não dá para considerá-lo um reboot, o que o tornaria independente dos demais, por causa das inúmeras referências que ele faz aos outros longas, que vão de cenas revisitadas a pequenas pontas de atores. Este aspecto da fidelidade pode ser sem dúvidas um grande desmotivador para os fãs mais radicais (estes existem aos montes), porém para aqueles, que como eu, decidirem analisar o filme como uma obra individual, isto fará pouca ou nenhuma diferença. 


A história de X-Men: Primeira Classe se passa durante um período da guerra fria que ficou marcado pela "crise dos mísseis de Cuba". Historicamente, em 1961, em meio á corrida armamentista, os Estados Unidos instalaram mísseis em bases localizadas na Turquia. Como resposta a União Soviética montou cerca de quarenta silos que deveriam abrigar mísseis nucleares no território cubano. A possibilidade de que um dos lados pudesse atacar deixou todo o mundo em polvorosa, nunca a ameaça de uma guerra nuclear fora tão iminente. No filme, o roteiro desconstrói este fato histórico, inserindo nele a questão dos mutantes como o fator que teria provocado o acirramento da tensão de ambos os lados. Como já era de se esperar, a trama assume um caráter altamente tendencioso ao adotar o lado americano. No filme os oficiais e militares russos são personagens unilaterais e estereotipados, construídos sob uma personalidade vilanesca que não condiz precisamente com a realidade, enquanto os americanos são retratados como os bons moços que se encarregam de salvar o mundo de uma quase inevitável devastação nuclear.


No centro da trama de X-Men: Primeira Classe estão dois mutantes, o jovem superdotado Charles Xavier (James McAvoy) e o sobrevivente do holocausto Erik Lehnsherr (Michael Fassbender), suas vidas se cruzam quase que por acaso, uma vez que eles são movidos por intenções bem diferentes. Xavier está disposto a lutar pela afirmação daqueles que desenvolveram as mutações provocadas pela presença do gene "x" em seus DNAs, enquanto o que Erik mais quer é se vingar do responsável pela morte de sua mãe em um campo de concentração. Após se conhecerem, ambos se juntam à uma divisão da CIA, liderada pela jovem agente Moira MacTaggert (Rose Byrne), para combaterem inimigos em comum. O oficial nazista que assassinara a mãe de Eric, Sebastian Shaw (Kevin Bacon), se aliara a militares da URSS com o simples objetivo de acelerar o confronto bélico entre as duas potências mundiais. Ele acredita que uma provável guerra nuclear poderia por fim à sociedade tal como a conhecemos, o que deixaria os seres humanos "normais", que por ventura pudessem sobreviver ao conflito, vulneráveis à imposição de um domínio mutante.


Quando as circunstâncias se tornam ameaçadoras para os mutantes que tinham optado por levar uma vida normal, Xavier decide romper com a CIA e criar uma espécie de escola, onde os "evoluídos" pudessem aprimorar seus poderes e aprender como usá-los da melhor maneira possível, como uma arma na manutenção da paz entre os "normais" e os geneticamente modificados (qualquer semelhança com a corrida armamentista não é mera coincidência). Na primeira turma formada, que seria uma espécie de embrião dos X-Men, estavam também Mística (Jennifer Lawrence), que crescera junto com Xavier, e o pesquisador da CIA Hank McCoy (Nicholas Hoult), ambos personagens importantes também nas outras partes da franquia. Outros mutantes são convidados a fazerem parte do grupo, alguns deles bem interessantes e outros nem tanto (preste atenção em quem aparece em uma ponta recusando um dos convites)... 


O filme não falha em sua proposta de explicar como tudo começou, ainda que haja alguns tropeços pelo caminho. Tocar ainda que de forma superficial em um fato histórico da dimensão da crise dos mísseis foi uma das melhores sacadas do roteiro, que o faz de forma forma bem surpreendente. A ambientação nos anos 60 dá todo um charme ao filme, que ganha uma estética bem diferente da dos outros.

No tocante às atuações, o maior destaque do filme é inquestionavelmente Michael Fassbender, mesmo interpretando um personagem relativamente raso (o que é algo normal, dado o gênero do filme), ele impressiona,  a caracterização que ele dá ao seu personagem, sem com isso perder aquilo que o define, é impressionante. No geral, o elenco todo dá conta do recado, apresentando desempenhos medianos, porém bem satisfatórios. Confesso apenas que tive um pouquinho de decepção com a atuação de January Jones, que interpreta no filme uma das aliadas de Sebastian Shaw, eu esperava bem mais dela, talvez por já ser um grande admirador de seu trabalho na série Mad Men.


Tecnicamente também o filme é muito bom, as sequências de ação e os efeitos especiais são ótimos, estes aspectos ajudam a manter o desenvolvimento da história em um ritmo rápido, que não permito que nós espectadores sequer percebamos o decorrer do tempo e o filme não se torna chato ou cansativo em momento algum. 

Uma continuação já está prevista para 2014 e, segundo declarações do produtor Simon Kingberg, sua trama estará focada no personagem Erik Lehnsherr, o Magneto, e na trajetória que ele percorre até se tornar um dos grandes vilões da franquia.

A verdade é que X-Men: Primeira Classe não pode ser considerado uma obra prima de seu sub-gênero e na minha opinião nem dá para apontá-lo como o melhor "pipoca" do ano passado como muitos fizeram (eu ainda prefiro O Planeta dos Macacos - A Origem), no entanto há de se reconhecer que seu resultado final é altamente positivo, tendo-se em vista que o seu propósito original era tão somente o de entreter...  Recomendo!


Assistam ao trailer de X-Men: Primeira Classe no You Tube, clique AQUI !

A revelação das passagens aqui comentadas não compromete a apreciação da obra, 


34 comentários:

  1. Iae meu amigo!

    Cara, nunca gostei de x-mans. Na real nao gosto de super heróis. Na real gosto dos anti-heróis, como o justiceiro e o motoqueiro fantasma.

    Mas tô afinzão de ver a liga da justiça que vai rolar. Conheço gente (como minha patroa) que tá bem apreensiva. hehe

    Abraçãoo

    ----
    Site Oficial: JimCarbonera.com
    Rascunhos: PalavraVadia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que você deve estar falando de "Os Vingadores" não? Este é um filme que não estava despertando minha curiosidade, principalmente pelo fato de eu ainda não ter visto a maior parte dos filmes individuais de cada herói, mas todo mundo já está falando muito bem dele, o que tem começado a despertar meu interesse, quero ao menos conferi-lo para ver se os elogios procedem...

      Excluir
  2. Primeira vez que leio uma resenha sua de um filme que eu já vi! Muito bom...adorei saber mais sobre, recomendo a todos! Beijão, www.spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sabrina!
      Que bom que você gostou da resenha!
      O filme é recomendável a todos os públicos, muito bom!

      Excluir
  3. Adorei o filme! Para mim, ele está entre os 10 melhores do ano de 2011. Como você disse,Michael Fassdenber está muito bem em seu papel, e os efeitos especiais do filme estão excelentes.
    Ótima Crítica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não o colocaria em um top 10, mas concordo plenamente com suas observações Mateus!
      Fico feliz que você tenha gostado da crítica!

      Excluir
  4. Boa tarde, José Bruno.
    Muita gente pegou no pé desse filme quando ele foi anunciado, por se tratar de um reboot e criar uma equipe original de X-Men que nunca existiu (a original era formada por Fera, Jean Grey, Anjo, Homem de Gelo e Ciclope), ele conseguiu se firmar como um bom divertimento.
    Matthw Vaughn mostrou-se capaz de dirigir super-heróis de forma convincente e competente.
    Tirando algumas coisas idiotas, como Sebastian Shaw (que vive no luxo e é praticamente imortal) querer provocar um holocausto nuclear, o filme é muito bom.
    Michael Fassbender será um andróide em Prometheus, de Ridley Scot, e parece que mandará muito bem de novo.
    As primeiras críticas dos Vingadores o comparam a Batman- O Cavaleiro das Trevas, espero que este também seja um excelente filme do gênero.
    Abraço, José Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jacques!
      É como eu disse, nestes casos sempre há aqueles que se preocupam tão somente em apontar as diferenças e discrepâncias entre a adaptação e o original, estes perdem a oportunidade de aproveitar o bom entretenimento que o filme proporciona...

      Estou curioso para ver "Os Vingadores", mas antes vou ter que assistir aos filmes individuais de cada herói que compõe a equipe (ainda não assisti a maioria deles)...

      Excluir
  5. Esse filme é extraordinário. Dizem que é o melhor X-Men, mas eu ainda acho O confronto final o mais bacana. Este é o segundo melhor filme dos mutantes!

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gostei bastante de "O Confronto Final", apesar de ele ter sido bem criticado (negativamente) na época de seu lançamento, mas o meu preferido da franquia continua sendo o segundo...

      Excluir
  6. Eu realmente gosto do jeito que você analisa os filmes! Adorei esse, mas sou suspeita quando se trata de X-Men, gosto de tudo! rs...

    Ju
    entrepalcoselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também gosto muito da maioria dos personagens, dentre eles estão alguns de meus favoritos do mundo das HQs...

      Excluir
  7. Ola Bruno,

    Eu curto bastante essa série, mas uma coisa que me deixa chateado nos filmes americanos, como citou, é o fato de fazerem um estereótipo grosseiro dos russos, sempre como aqueles vilões terríveis e eles os justiceiros... Valeu a dica!

    Abraços Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tal tipo de estereotipação também me incomoda Flavio e eu acho que ela não condiz com a história original dos mutantes, que fora construída como uma clara alegoria do mundo bipolarizado. Ironicamente a HQ enfatizava a questão da tolerância e o respeito às diferenças, que nela eram alegorizados pelos preconceitos sofridos pelos mutantes...

      Excluir
  8. Oi Bruno,

    Tudo bem? Passando para ler a sua crítica e falar que odeio X-man, mas não poderia deixar de ler sobre série. Quando Mateus era menor, ele assistia o tempo inteiro e aí entrei em desgaste. Desculpe-me mais não gosto dos mutantes, embora tenha apreço pelo Xavier.

    Bom domingo!

    Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gosto deles Luciana, mas meu apreço por eles vem da época que eu lia com frequência as HQs, nelas a história era melhor contextualizada e tratava de temas mais complexos, que eu na minha pré-adolescência adorava... Lembro de uma delas que eu adorava, que falava sobre um período no qual a Ororo (Tempestade)tinha perdido seus poderes, as ponderações feitas sobre o fato são de uma consistência e profundidade que o filme ou a séria animada não foram capazes de reproduzir em nenhum momento...

      Excluir
  9. Olha cara eis um filme "Primeira Classe". Uma grata surpresa em minha opinião, já que nunca aprovei 100% os filmes dirigidos pelo Singer e o desastre que foi o terceiro filme pelo Brett Ratner. Achei que Vaughn melhorou muita coisa com relação à premissa e até mesmo com relação ao visual e efeitos visuais. Foi prático e tomou as decisões corretas, ou seja, mais artesão do que um autor que tenta imprimir algo em um projeto de quadrinhos. Ainda bem que ele não repetiu a fórmula igual no fantástico "Kick-Ass", um caso isolado e um adaptação de HQ de proposta mais original.

    O universo "X-Men" sempre careceu de um diretor que não tentasse fazer um filme mais pessoal. Singer chegou a pesar demais a direção no primeiro e tentando suavizar no segundo.
    Enfim, este foi um divertimento pipoca bem melhor que os anteriores (também achei o filme do Wolverine Solo fraco).

    Sobre "O Palhaço", o texto também ficou ótimo. Uma grande obra do cinema nacional. Selton Mello cada vez melhor como diretor (e ator). A interpretação de Paulo José, assim como de todo o elenco é também notável. Preciso rever de novo. Duas vezes é pouco!

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse numa resposta a um dos comentários acima, o meu favorito da série ainda é o segundo filme e eu gosto bastante do terceiro. Não consigo ver em nenhum deles qualquer tentativa, feita por seus realizadores, de deixarem uma marca autoral; acho que se isso de fato acontecesse, dependendo do diretor, teríamos verdadeiras obras primas, uma vez que consistência para isso os personagens têm...

      "O Palhaço" é simplesmente fantástico, se não fosse a falta de tempo e a correria eu também encarava uma segunda sessão dele sem receio!

      Excluir
  10. Vi esse filme no cinema, não sei se é o melhor filme da franquia, mas teve o Fassbender, isso ajuda muito. Pelo menos é um filme feito com esmero, diferente de outros blockbursters descartaveis de 2011, como Lanterna Verde.

    Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente a presença do Fassbender no elenco e este esmero que você citou fizeram muita diferença...

      Excluir
  11. Bruno, vi um dos filmes do X-Man, são adaptações de HQs, e gostei, mas esse último ai não conferi ainda, estou a fim de ver essa semana que vem "fúria de titãs 2", antes que saia de cartaz. Ótima dica tua, abração pra ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu estou curioso para ver os dois "Fúria de Titãs" (ainda não assisti nem o primeiro), estava lendo agora a pouco sobre ele em um outro blog...

      Excluir
  12. Respostas
    1. Não o considero o melhor Antônio, mas é um dos melhores sobre os mutantes!

      Excluir
  13. Oi Bruno
    Eu sou suspeita porque gosto da saga X Men, assisti a todos, e gostei muito desse, achei legal aquela parte em que eles encontram o Logan, dá um contexto legal entre os filmes, e preencheu uma lacuna, de como o Dr. Xavier tinha ficado aleijado.
    Ótima resenha como sempre meu amigo.
    Bjos. e uma ótima semana.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também gostei desta participação especial do Hugh Jackman (o Logan), uma pena que o acidente do Xavier seja uma das situações que entra em conflito com o mostrado em outro dos filmes da saga...

      Excluir
  14. J. Bruninho, eu sou fã confessa de X-Men!!! Tenho todos, inclusive o Wolverine(não achei lá essas coisas...). Porém, ainda não assisti esse aí!

    Mesmo com todas as críticas, pretendo ver para tirar minhas conclusões. Sacomé, né? Sou dessas! rs

    bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não deixe de assisti-lo Joicy, ele é um dos melhores da série, se você gostou dos outros, estou certo de que gostará deste!

      Excluir
  15. Olá!Boa noite!
    Tudo bem?
    ..bem! Eu não gosto muito...mas, isto não importa! Importante, que você fez uma bela resenha, uma sinopse impecável e "fechou" com algumas respostas de comentários!
    Para quem "gosta", vc apresentou o "pacote completo". Para que possam e tirar suas próprias conclusões!
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Boa semana!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é sempre um prazer visitar tua página Felisberto, fico feliz com seus comentários aqui no Sublime também!

      Excluir
  16. Uffa!!! Finalment etempo para vir aqui. Hoje foi corrido, viu. Aff!
    Sim, sobre o filme...
    Ainda nem assisti também por causa de falta de tempo ( novidade. ¬¬)
    Agora que li sua resenha, fiquei extremamente curiosa, pois sou fã dos X-Men e já fui ao cinema 3x para assistir só o Conflito final kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Amo demais.
    Muito interessante mesmo seu texto. Amei e me senti mais aliviada quando você recomendou. rssss É que falaram mal do filme, dizendo que saiu da linha, coisa e tal. Bem, vou assistir de uma vez.

    Beijo grande

    Cléo
    http://vejoporai.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse no texto Cléo, ele entra em conflito com algumas partes dos outros filmes e muita gente não gostou disso, eu no entanto acho este um problema bem pequeno que não prejudica o filme como um todo... O meu preferido da franquia é o segundo, mas eu também gostei muito de ver "O Confronto Final" no cinema...

      Excluir
  17. Não sei se é o melhor X-Men, visto que o segundo da trilogia é uma verdadeira obra-prima. Sou fã da franquia dos mutantes no cinema (e até, surpreendentemente, o Pablo Villaça é), que opera como uma grande metáfora sobre o racismo. Aqui não é diferente. Por isso, na verdade, os roteiros de X-Men são tão enriquecidos. Além disso, o desenvolvimento dos personagens é surpreendente (acho, inclusive, absurdo chamar o Magneto de raso, visto que é um personagem multidimensional, tal como o Xavier), e o plano de fundo político engrandece a obra. O elenco é de primeira! E, claro, a ação é perfeita e os efeitos sensacionais. Portanto, encaro X-Men: Primeira Classe como, sim, uma grande surpresa. Inteligente e corajoso em sua abordagem, entra pro hall dos melhores filmes de heróis de já feitos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você em relação ao segundo, ele também é o meu favorito da franquia.

      Quanto aos personagens que você citou, eles não são rasos em si, mas a abordagem que eles ganharam nos filmes foram, mas isto ao menos neste caso não foi um problema, pois mesmo sendo relativamente superficiais, os filmes dos mutantes ainda têm bem mais profundidade que outros brokebusters, e o fato de estarem contando boas histórias acaba compensando isso...

      Excluir