terça-feira, 29 de maio de 2012

O Grande Lebowski

O Grande Lebowski (The Big Lebowski) - 1998. Escrito, Dirigido e Produzido por Joel Coen e Ethan Coen. Direção de Fotografia de Roger Deakins. Música Original de Carter Burwell. Polygram Filmed Entertainment e Working Title Films / USA | UK.


O Grande Lebowski (1998) é uma excelente e excêntrica comédia de erros, do tipo que só os irmãos Coen sabem fazer. A fórmula é a mesma que fora usada em Fargo (1996), e que ainda seria ainda explorada em Onde os Fracos não têm Vez (2007) e em Queime Depois de Ler (2010), no entanto ela consegue nos parecer original e extremamente bem sucedida à cada vez que é reaproveitada, graças à enorme criatividade e domínio de técnica de Joel e Ethan. Nestes filmes a trama se desenvolve a partir de algum erro ou atitude mal pensada, que geralmente são cometidos por alguns dos personagens, estes atos levam à uma série de peripécias, que colocam a história em um tipo de espiral, da qual não se sabe o que esperar...

A trama de O Grande Lebowski gira em torno de Jeff Lebowski (Jeff Bridges), um típico representante da geração Slacker, que prefere ser chamado de 'The Dude'. Ele ocupa seu tempo fumando maconha e ouvindo fitas de country rock da década de 60 e de música ambiente, nas "horas vagas" ele joga em um time boliche, do qual também participam seus amigos Walter Sobchak (John Goodman), um ex-combatente do Vietnã que se tornou neurótico, e Donny (Steve Buscemi), um homem contido e um tanto inexpressivo. O cotidiano ocioso, do qual Jeff se orgulha, começa a ser ameaçado quando dois estranhos invadem a casa dele para lhe cobrar uma grande quantia em dinheiro, uma dívida que teria contraída pela sua esposa; é praticamente dispensável dizer que ele, que nem é casado, fora confundido com outra pessoa, um homônimo. Antes de perceber o engano que estava cometendo, um dos homens mijaram no tapete da sala de 'Dude', numa tentativa de intimidá-lo, e aquilo o deixou muito aborrecido.


Aconselhado por Walter, 'Dude' decide ir atrás de seu homônimo, a quem ele passa chamar de "Grande Lebowski", para reivindicar um ressarcimento pelo tapete danificado. O verdadeiro Lebowski (David Huddleston) a quem os bandidos procuravam é um suposto milionário, amargo e excêntrico, que se casara com Bunny (Tara Reid), uma ex-atriz pornô bem mais jovem que ele. O velho diz a Jeff que não lhe dará nada por não se sentir responsável pelo que acontecera, mas este, esperto que é, acaba levando um dos tapetes da mansão sem o consentimento de seu chará, mal sabia ele que aquele que seria o erro que o meteria em uma grande enrascada. Tudo indica que a história caminha para um final que não será nada bom, contudo devemos lembrar que se trata de roteiro escrito por Joel e Ethan, o que o torna totalmente imprevisível.


O filme se desenvolve através de sequências improváveis que são protagonizadas por personagens tão estranhos e excêntricos quanto o próprio 'Dude'. No roteiro nem tudo é o que parece ser e cada detalhe, por mais desconvencional que nos possa aparentar, traz consigo uma carga de significação maior, que faz com que o filme como um todo funcione como algo que vai além de uma mera comédia de humor ácido. O roteiro usa a narração em off para nos introduzir à realidade do personagem central, através dela 'Dude' é descrito como um homem que trás consigo algo de especial, algo quase sagrado que o transforma em uma espécie de herói de seu tempo. Não é a toa que o loga cite a Guerra do Golvo durante a sua introdução, o que ele está propondo é a substituição da figura do soldado como herói nacional pela do homem comum que trava sua própria guerra em seu cotidiano.


Em mundo carente de ideologias, de figuras heroicas e de fatos grandiosos, o que sobra é a vida comum, que é na maioria das vezes desestruturada e descolorida. De uma forma irônica e sarcástica o filme transforma este tipo de vida em um louvável objeto de culto e o personagem principal em uma espécie de messias deste novo "way of life". Os outros personagens ajudam a compor esta sátira social simbolizando diversas características do população americana do início dos anos 90, dentre elas a paranoia, a apatia, a busca do prazer imediato e o apego a conceitos rasos, que são usados ora para rotular outrem, ora para simplificar ideologias; em um momento, por exemplo, um dos personagens rotula um outro de niilista, porque em algum momento este outro diz: "eu não acredito em nada"; em outra passagem, um outro personagem rotula bandidos de nazistas, tão somente por ele próprio ser um judeu.


Jeff Bridges está ótimo, ele encarna a veia cômica com uma destreza enorme, sua composição do personagem é magnífica, desde o visual desleixado ao sotaque carregado e cheio de maneirismos. John Goodman, Steve Buscemi, Sam Elliott (que interpreta um enigmático personagem), John Turturro (que vive um jogador de boliche esquisito, de um time rival ao do 'Dude'), Philip Seymour Hoffman (um empregado do 'Grande Lebowski'), Julianne Moore (que interpreta uma feminista, filha do 'Grande Lebowski) também estão muito bem, cada um deles personifica na medida certa a estranheza e a desconstrução das convenções, que são exploradas pelo roteiro; é muito interessante vê-los em cenas que chegam a ser surreais de tão improváveis, sem contar que alguns deles estão simplesmente hilários... Ao assistir ao filme, prestar atenção na ponta feita por Flea, baixista do Red Hot Chili Peppers...


Eu considero O Grande Lebowski uma das melhores obras dos irmãos do Coen, ele é filme aparentemente despretensioso, que pode ser apreciado tanto como uma comédia-farsa - do tipo que provoca o riso "sem qualquer intenção didática ou moralizante" - quanto como uma refinada comédia de costumes com elementos burlescos - do tipo que nos induz a refletir sobre aquilo que é comum, ao propor um olhar diferenciado sobre a realidade..O Grande Lebowski é sem dúvidas uma produção de alto nível de qualidade, o que pode ser percebido em cada um de seus aspectos, tanto técnicos, quanto artísticos (sei que nem todos reconhecerão isso), é um filme que precisa ser visto e revisto! Recomendo!


Assistam ao trailer de O Grande Lebowski no You Tube, clique AQUI !

A revelação das passagens aqui comentadas não compromete a apreciação da obra,


Confiram também aqui no Sublime Irrealidade as críticas de E Aí, Meu Irmão, Cadê Você?, Queime Depois de LerBarton Fink - Delírios de Hollywood e Bravura Indômita, também realizados pelos irmãos Coen. 


26 comentários:

  1. Olá, colega! Acabei de adicionar o seu link no meu blog... se puder fazer o mesmo com o meu, eu agradeço. Blogueiros, uni-vos!!!
    abraço e parabéns pelo blog.
    www.366filmesdeaz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá seja bem vindo á minha página!
      Obrigado por ter linkado o Sublime Irrealidade, espero que você tenha gostado do blog e que volte por aqui mais vezes! Já linkei o "366filmesdeaz" também!

      Forte abraço!

      Excluir
  2. Olá amigo, não me lembro de ter assistido mas gosto dos atores e por isso irei conferir! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confira sim Kellen, é um ótimo filme!

      Excluir
  3. Fiquei curioso para ver esse filme que é tão bem falado, principalmente para conferir a atuação de Bridges, que dizem ser muito boa.

    Oi J. Bruno, fiquei esperando o seu comentário lá no novo e tão arriscado post que eu fiz, mas você nem deu as caras :(

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A atuação dele no filme é excelente Gabriel, ele está em um de seus melhores momentos!

      Passei lá no teu blog e já deixei lá meus comentários, me desculpe pela demorar em passar por lá, as últimas semanas foram bem corridas, hoje que estou respondo os comentários aqui no Sublime e visitando os blogs parceiros!

      Abraço forte amigo!

      Excluir
  4. Extremamente divertido, com Jeff Bridges num papel impagável, rodeado de coadjuvantes de primeira.

    Um dos grandes acertos dos Irmãos Cohen.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Hugo, "O Grande Lebowski" é humor inteligente e refinado da melhor qualidade. Sem dúvidas foi um grande acerto!

      Excluir
  5. Boa noite, José Bruno.
    Ainda não vi, mas quero muito ver este filme.
    Gosto do estilo de narrativa e personagens caóticos criados pelos irmãos Coen.
    E Jeff Bridges sempre consegue criar bons personagens.
    Abraço, José Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza de que você ira gostar Jacques, afinal é um dos melhores filmes dos Coen, na minha opinião, e uma das melhores atuações do Jeff Bridges!

      Excluir
  6. Olá Bruno,

    Não tive a oportunidade de ver este filme ainda, mas pelo que escreveu parece de fato ser bem atraente e com personagens interessantes.

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho uma oportunidade, não deixe de assistir Flávio, você não se arrependerá!

      Excluir
  7. Oi Bruno,

    Li e passo amanhã para deixar as minhas impressões, pois estou cansada.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aguardo seu retorno a este post Luciana!

      Excluir
  8. Gosto de todos os filmes dos irmãos Coen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não assisti todos os filmes deles, mas até então nenhum deles frustrou minhas expectativas!

      Excluir
  9. Respostas
    1. Um dos melhores momentos deles Antônio!

      Excluir
  10. Oi Bruno
    Estou sumida por aqui, me desculpe, mas desde que te conheci aprendi muito sobre filmes, pode crer! Esse eu não assisti, não sei porque, eu adoro Jeff Bridges, vou tentar achá-lo. Ótima resenha.
    Bjos. e um ótimo resto de semana.
    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lucina, não se preocupe, eu também estive sumido, acabe sendo mais uma vez atropelado pelo estresse e pela correria do dia-a-dia, mas estou aproveitando para colocar as coisas em dia neste final de semana...

      Fico feliz que você tenho gostado mais uma vez!

      Abração querida!

      Excluir
  11. Uow, esse filme, até hoje, eu não conferi. Confesso, sinceramente, que não sou fã dos irmãos Cohen, mas eu preciso conferir a atuação de Bridges que é super elogiada. Seu ótimo texto me motivou, viu? Um abraço e perdão o sumiço! Estou de volta. até!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cristiano, você é sempre super bem vindo cara!
      Assista sim Cristiano, eu como fã da obra dos Coen, sou suspeito para falar, mas o roteiro deste filme é simplesmente genial, não deixe de assisti-lo!

      Excluir
  12. O Grande Lebowski é o típico filme "épico", pra você ficar lembrando entre seus amigos, ficar fazendo piadas e soltar referências no meio duma conversa. Mas passa longe de uma obra-prima: pelo contrário, o filme é ótimo mesmo por seus personagens, não por sua história em si. Dito isso, The Dude é sensacional e um estilo de vida hilário - devia existir uma religião pra cultuar ele. E o que dizer do Walter, de John Goodman? Hilário os discursos dele sobre o Vietnã. Uma obra preciosa - embora deveras superestimada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Julio, na minha opinião, "O Grande Lebowsk" é uma das melhores obras dos Coen, pelos motivos que citei no texto, acho genial a sátira social que ele constroem em uma história que fala praticamente sobre o ócio, isso sem contar os outros aspectos louváveis que você citou em seu comentário...

      Excluir