domingo, 4 de março de 2012

As Aventuras de Tintim

As Aventuras de Tintim (The Adventures of Tintin) - 2011. Dirigido por Steven Spielberg . Escrito por Steven Moffat, Edgar Wright e Joe Cornish, baseado nos quadrinhos de Hergé. Música Original de John Williams. Produzido por Steven Spielberg, Peter Jackson e Kathleen Kennedy. Columbia Pictures e Paramount Pictures / USA | Nova Zelândia..


Ainda me recordo de como Tintim se tornou um dos personagens favoritos de minha infância. Durante um extenso período eu mantive uma rotina quase religiosa, todos os dias às 7 horas da noite eu ia para a casa de um amigo para assistir aos desenhos da TV Manchete e logo em seguida As Aventuras de Tintim na TV Cultura. Como a única TV que tínhamos em casa era monopolizada pela minha mãe, com suas novelas, o jeito era ir para a a casa deste vizinho, que tinha em seu quarto uma daquelas TVs em preto e branco, cuja carcaça era similar a um caixote de madeira. Daquelas nostálgicas sessões diárias nasceu a minha paixão pelo personagem, do qual poucos de meus amigos gostavam, principalmente porque naquela ocasião ele substituiu o Doug na grade de programação da emissora. Eu no entanto era fascinado por suas aventuras, que o levavam a lugares fantásticos de diversas partes do mundo e o colocava em diversos apuros. 

Mesmo nutrindo um pouco de desconfiança, eu estava ansioso para conferir esta mais recente adaptação dos quadrinhos de Hergé, captaniada por Steven Spielberg. O filme As Aventuras de Tintim (2011) é inspirado nos álbuns Le Secret de la Licorne, lançado originalmente em 1943, e Le Crabe Aux Pinces D'or, de 1941. A história contada no filme começa quando Tintim (Jamie Bell) compra a réplica de um navio, que fora afundado por piratas no século XVII, não demora nada e ele descobre que gente perigosa também estava atrás da miniatura e que eles fariam de tudo para tê-la em suas mãos. Reza a lenda que aquela réplica conteria alguma pista que levaria a algo deixado por Francis Haddock, o capitão do embarcação afundada. Tintim decide investigar o caso e entra de cabeça nesta aventura, para a qual ele contará com a ajuda dos agentes Dupond e Dupont (que aparentam ser gêmeos, mas na história original não o são. A única diferença física entre eles é o 'penteado' do bigode) e do capitão Archibald Haddock (Andy Serkis), o último descendente de Francis que ainda vive.


Algo que percebi é que o trama do filme em determinados pontos se aproxima mais do desenho criado pela finada produtora canadense Nelvana, do que dos escritos originais de Hergé. O roteiro é quase um remake das duas partes do episódio do desenho intitulado de O Segredo do Licorne. Tal como na série animada, é nesta aventura, que envolve a réplica do antigo galeão, que o personagem Archibald Haddock se encontra pela primeira vez com Tintim, enquanto nos quadrinhos a amizade entre eles vem de antes da descoberta da réplica do galeão. Diversas outras situações aproximam o longa de motion capture do desenho e o distanciam dos quadrinhos, mas apesar disso, Spielberg fazer questão de deixar claro o seu respeito pelo criador do personagem, o que fica evidente desde a introdução (que lembra a de Prenda-me se For Capaz) até à cena em que o próprio Hergé aparece como um desenhista de rua, que faz uma caricatura de Tintim.


Há praticamente um consenso de que o filme seja tecnicamente irrepreensível e isso se justifica pelo excelente uso de uma tecnologia relativamente nova, que certamente ainda gerará bons frutos. A reconstrução da realidade através da técnica chamada de "captura de movimento" é tão bem usada aqui quanto foi em Planeta dos Macacos - A Origem, a diferença é que aqui todos cenários são criados digitalmente e com um realismo estarrecedor (preste atenção nos objetos, no movimento do mar e nos animais que aparecem em cena)... Já o roteiro não agradou a todos, alguns dentre os fãs de Hergé acharam que a  história foi demasiadamente infiel ao original e outros, no entanto, reclamaram da falta de novidade. Contudo, o mais curioso é que aqueles que ainda não conheciam o personagem reclamaram da simplicidade da trama, sendo que este é sem dúvidas o seu melhor aspecto. É a simplicidade que nos remete à nossa infância e as aventuras e descobertas com as quais sempre sonhamos e que torna o filme tão digno de apreciado por quase todas as idades (atenção à classificação etária).


As Aventuras de Tintim é o contraponto perfeito ao fraco Cavalo de Guerra (2011), também dirigido por Spielberg, apesar de serem ambos baseados em histórias infantis e merecedores da alcunha de "filmes família", eles não poderiam ser mais diferentes. Em Tintim o diretor deixa um pouco à parte seu lado canastrão e acerta ao se render às produções já existentes sobre o personagem (no caso os quadrinhos e a série animada) e o resultado é melhor do que o observado no outro filme. O excesso de autorreferências feitas por Spielberg quase chega a se tornar um incômodo, o que felizmente não acontece por bem pouco, algumas das sequências de ação do filme são claramente inspiradas por outros filmes do diretor, principalmente na franquia de Indiana Jones, porém lembremos que a semelhança não é mera coincidência... Eu como fã confesso do personagem, torço para que Spielberg e Peter Jackson decidam dar continuidade ao projeto, tornando esta a primeira parte de uma franquia e torço mais ainda para que eles não errem ao fazê-lo... Recomendo para todos sem restrições!


As Aventuras de Tintim ganhou o Globo de Ouro na categoria de Melhor Animação e ainda recebeu uma indicação ao Oscar na categoria de melhor Trilha Sonora Original. O filme não foi indicado ao Oscar de Melhor Animação porque a Academia não reconhece a "captura de movimento" como técnica de animação (o que penso que será mudado em breve, ou uma nova categoria provavelmente surgirá).

Assistam ao trailer de As Aventuras de Tintim no You Tube, clique AQUI !

Esta resenha não traz revelação da trama que não estejam já presentes  na sinopse ou
no trailer do filme.

29 comentários:

  1. Olá José,

    As Aventuras de Tintim é aquele estilo de filme voltado para o público infantil mas que prende os adultos de todas as idades. Eu não sou um especialista, mas creio que é algo muito comum nos filmes dirigidos pelo Spielberg, não ?

    Abraços Flávio,
    --> Blog Telinha Critica <--

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A verdade é que boa parte da filmografia dele é composta por filmes "família" capazes de agradar com facilidade a todas as idades...

      Excluir
  2. Oi,passando aqui pra te desejar uma noite de paz!!
    Bjs!Soninha!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Soninha!
      Deseja que a semana que está começando seja ótima para ti! Bjs

      Excluir
  3. Ótima resenha, como de hábito, J. Bruno.
    Apesar de ler quadrinhos desde sempre, nunca li Tintin e nem assisti aos desenhos dele na TVE.
    Meu amigo Fábio Ochôa, do Fantástico Cenário também falou que essa animação ficou muito boa.
    Realmente não deu pra entender porque ela não foi indicada ao Oscar de Melhor Animação, pois com certeza deve ser melhor que Rango, que não é ruim, só previsível.
    Sobre a simplicidade do roteiro, acho que isso, neste caso, é um ponto positivo, assim como ocorreu com o ótimo Super 8 de J. J. Abrahms.
    Abraço e uma boa semana pra ti, J. Bruno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Jacques,
      Ele só não foi indicado ao Oscar de Melhor Animação porque a Academia não reconhece (ainda) a técnica de captura de movimento como animação... Ah, eu estou curioso para assistir "Super 8"...

      Excluir
  4. Ah vá Bruno
    Ou vc toma algum tipo de elixir da juventude ou vc tá de brincadeira, pque pela tua cara na foto vc não tem idade prá ter assistido As Aventura de Tintin ou Doug na Cultura (kkkkkk). Esses desenhos eram da minha época, e eu sou mais velha que vc. Eu assisti no cinema e em 3 D, com meus filhos, achei show de bola mesmo o filme, muito fiel ao desenho original. Ah, obrigada pela visita no meu humilde blog. Bjos.

    http://ashistoriasdeumabipolar.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luuuuuuuuu,as aventuras de TinTim reprisou por muiito tempo na TV cultura, queridaaaaa! rs

      Excluir
    2. KKKK, obrigado pela elogio, mas acho que não sou tão jovem quanto você pensa... O desenho começou a passar na Cultura no início dos anos 90, porém sem uma frequência regular, foi só em meados daquela década que ele foi transferido para este "horário nobre", onde durou bem mais tempo...

      Excluir
  5. Esse filme estava em minha lista para ser assistido no feriado de carnaval, mas não foi dessa vez!

    Ahhh, nem me fale sobre essa questão de não ter tempo para ler. Passei por isso há alguns dias. Agora estou tentando tirar momentos durante o final de semana, pq durante aaaaa semana é impossível!!

    Obrigada!!!

    Bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joicy, você nem imagina a loucura que tem sido meus últimos dias, sem tempo para nada, o trabalho tem me consumido mais do que nunca e mesmo quando estou em casa, tenho tido um pouco de dificuldade de me desligar, mas vamos levando né...

      Excluir
  6. Ah sempre quis ver esse filme, dizem que é ótimo, e foi o que percebi lendo sua resenha maravilhosa! Beijão // www.spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é muito bom e seus méritos vão além do saudosismo que ele evoca...

      Excluir
  7. Olá José,

    Eu gostei muito da sua resenha e do filme também, claro! Achei divertidíssimo e realmente, é um filme que pode ser indicado para pessoas de qualquer idade. Não tem um roteiro inovador, nem nada do tipo, mas é muito legal.
    E além de divertido é lindo visualmente, por causa da captura de movimentos. Fiquei besta com os detalhes.
    Passarei a acompanhar seu blog.

    Beijo,
    http://ideias-defenestradas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda L.,
      Lhe esperarei por aqui mais vezes!
      Beijo

      Excluir
  8. Olá Bruno,

    obrigado pela visita lá no olhar D'Ouro - photography. É um prazer ter vc por lá.

    Quanto a este filme, ainda não tive oportunidade de assistir, mas gostei imenso dessa resenha que vc fez.

    Gostei do blog.

    Abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que você tenha gostado Rui, espero lhe ver por aqui mais vezes e eu com certeza continuarei visitando a tua página sempre que possível... Abraços!

      Excluir
  9. Ótimo filme, aventura de tirar o folego do inicio ao fim, bem no estilo de Spielberg. Prejudicado somente pela quantidade de cópias dubladas, eu mesmo tive que ver em uma versão assim, acabando com 50% do prazer, mas fazer o que... pior seria não ter visto..

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A predominância da dublagem nas salas de cinema é algo que precisa ser combatido, precisamos estar cada vez mais engajados nesta luta meu caro!

      Excluir
  10. Oi Bruno,

    Estava com saudades das suas postagens. Tinha comentado com Mateus que também estava ansioso por uma nova. Ele adora também as suas críticas. Esse filme ele assistiu e se encantou e concordo pois, além da obra de Spielberg, remete ao melhor da infância.

    Beijos.
    Lu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Precisei diminuir um pouco o ritmo por causa da correria do dia-a-dia Luciana, sério eu estava (acho que ainda estou) à beira de um ataque de nervos rsrs...

      Eu também gosto muito dos textos do Mateus e sempre passo lá pela página dele, certamente ele puxou a mãe no talento! Beijão Lu!!

      Excluir
  11. Gostei do filme. De longe é muito melhor que CAVALO DE GUERRA.

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  12. ESTOU ASSISTINDO NESSE MOMENTO E AINDA NÃO TENHO UMA OPINIÃO FORMADA MAIS ESTOU GOSTANDO DO QUE VEJO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou certo de que você vai gostar do resultado final...

      Excluir
  13. Eu caí na nostalgia com este filme...
    Lembrei das tardes em que chegava correndo a casa de minha avó e curtia o desenho...
    Muito bom!!

    ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senti a mesma coisa que você Karla, como eu disse o Tintim é um dos personagens favoritos de minha infância, tenho um carinho especial por ele...

      Excluir
  14. A trama é mesmo simplista. Mas who cares? hahaha
    É tão frenético, repleto de aventura, ação, que o filme não te dá nem tempo pra respirar - quem dirá pensar. Aqui sim um Spielberg de verdade, voltando às suas origens, diferente do pavoroso Cavalo de Guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem preciso dizer que concordo plenamente com você né Julio!

      Excluir